1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Cansada de tumultos, população pobre deve votar "sim" em referendo no Egito

Apesar dos protestos em massa da oposição, o referendo para validar a polêmica nova Constituição egípcia deve contar com o voto favorável das pessoas mais simples, geralmente sem instrução e apegadas à religião.

A vendedora de jornais Umm Mohamed vive em Imbaba, um dos bairros mais pobres do Cairo, onde esgoto a céu aberto e lixo nas ruas fazem parte da paisagem em meio a prédios decadentes. Há alguns dias, além dos jornais de sua banca, Mohamed vende também livretos contendo o esboço da nova Constituição do país. "As pessoas compram para entender o que está sendo discutido", conta a vendedora. "Aí eles compreendem: está tudo certo", completa.

Mohamed, contudo, não leu o esboço da Constituição, pois ela pertence aos aproximadamente 40% de analfabetos entre a população egípcia. Na hora de votar no refendo deste sábado (15/12), ela vai se orientar pelos símbolos e cores incluídos nas cédulas eleitorais para facilitar a escolha daqueles que não conseguem ler.

A vendedora de jornais sabe que vai optar pelo "sim". "Para que nosso país, enfim, melhore", justifica, acrescentando que o atual presidente, Mohammed Morsi, é "um bom homem", que sabe o que islã significa. Segundo a vendedora, os opositores do presidente só disseminam boatos, provocando "tumulto" no país. Umm Mohamed está convencida de que Morsi só quer o bem do povo.

Pobreza e analfabetismo

O presidente religioso é benquisto em Imbaba, ao contrário de seus opositores. O bairro miserável é um dos redutos eleitorais da Irmandade Muçulmana. Nas áreas onde há maior pobreza e falta de informação – e sobretudo medo da punição divina –, é mais fácil para os islamistas convencerem os eleitores a darem seu aval ao esboço constitucional, redigido segundo os princípios da lei islâmica sharia.

Ägypten Proteste gegen das geplante Verfassungsreferendum

Opositores: criticados em área de extrema miséria

Os salafistas radicais costumam reduzir toda discussão a "crer ou não crer" à afirmação de que se trata de uma "lei divina". Além disso, os partidários de Morsi afirmam que os protestos dos adversários da Constituição no país só prorrogam desnecessariamente a séria crise econômica pela qual o Egito passa.

"Não queremos mais distúrbios, queremos viver", afirma um senhor que reclama de baixos salários, parcas aposentadorias e alto custo de vida. Ele pretende dar seu "sim" ao esboço da Constituição, pois acredita que a situação econômica do país irá melhorar posteriormente.

Sua opinião é dividida por um lixeiro: "Quero a nova Constituição. Chega de falação e de guerra uns contra os outros. Agora o que importa é a ordem no país". Ele, que recebe o equivalente a 40 euros por mês, reclama dos baixos salários, dizendo que tem problemas para sustentar sua família. O casamento da filha, por exemplo, ele não conseguirá financiar.

Mídia estrangeira: "parte da conspiração"

No bairro Imbaba, é preciso procurar muito por alguém que se oponha à Constituição redigida majoritariamente por islamistas. Este é o caso de um médico que atende no bairro. Ele sabe que pertence a uma minoria e justifica o apoio maciço à Irmandade Muçulmana com o alto índice de pobreza do lugar. Segundo ele, os islamistas compram os votos das pessoas: "Se você distribui chocolate, um quilo de açúcar ou de manteiga, é claro que eles vão dizer 'sim' à Constituição", conta o médico.

Armut in Kairo Imbaba

Bairro Imbaba, no Cairo: reduto eleitoral da Irmandade Muçulmana

Além disso, diz ele, é comum ouvir que o "sim" no referendo será dado "em nome do islã". O médico reclama que os islâmicos não "deveriam dizer às pessoas que aqueles que votarem a favor da Constituição vão para o céu". Ele discute com uma mulher na rua, a qual defende que "a sharia vem para que o Egito evolua", dando provas de que em Imbaba o apoio aos islamistas é predominante.

Em meio à discussão, uma outra senhora interfere e ameaça chamar a polícia para que esta confisque o microfone e o gravador da reportagem da Deutsche Welle. "Está é minha obrigação de cidadã", diz ela, dando sinais de que há quem acredite que a mídia estrangeira faz parte de uma "conspiração contra Morsi".

Autora: Cornelia Wegerhoff (sv)
Revisão: Francis França

Leia mais