1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Candidatos denunciam fraudes nas eleições presidenciais do Afeganistão

Comissão Eleitoral recebeu mais de 1.200 reclamações e número não para de crescer. Mesmo assim, principais candidatos dizem que vão respeitar resultado oficial da votação, que contou com mais de 7 milhões de eleitores.

Os três candidatos favoritos para vencer as eleições presidenciais do Afeganistão denunciaram neste domingo (06/04) irregularidades e fraudes na votação para a sucessão do atual presidente, Hamid Karzai. Segundo a agência de notícias AFP, a Comissão Eleitoral do país já recebeu mais de 1.200 queixas – número que não para de crescer.

De acordo com o porta-voz da comissão, Nadir Mohsini, as queixas incluem a abertura tardia dos centros de votação, falta de cédulas eleitorais, denúncias de eleitores forçados a votar em determinado candidato e, ainda, maus-tratos de alguns mesários nos locais de votação.

Antes da votação, havia temores de que uma nova fraude eleitoral, como a que manchou a reeleição de Karzai em 2009, pudesse colocar à prova a legitimidade do vencedor. As eleições – as primeiras realizadas após a transferência de poder no país depois de 13 anos da intervenção militar liderada pelos EUA – são consideradas um teste para os afegãos.

Mas num sinal promissor para a estabilidade do processo, os principais candidatos à sucessão de Karzai, que irá deixar o poder após cumprir dois mandatos, disseram que vão respeitar as decisões e regras da Comissão Eleitoral do país.

"Foi um grande dia para a democracia no Afeganistão", afirmou Zalmai Rassoul, um dos três candidatos favoritos. "Mas em determinados locais aconteceram problemas, que foram transmitidos à comissão que registra as queixas eleitorais. É dever desta dar resposta para que não haja votos falsos. Um presidente eleito com fraudes não seria aceito", afirmou, sem especificar a natureza dos problemas.

O seu adversário Ashraf Ghani, um ex-ministro das Finanças, afirmou no Twitter que "há relatos de fraudes graves em vários locais", adiantando que essas informações estão sendo encaminhadas para a comissão.

O candidato Abdullah Abdullah, também apontado como favorito, disse que as eleições foram um grande sucesso, mas não estava "livre de irregularidades". No pleito presidencial de 2009, Abdullah foi o segundo mais votado e denunciou fraudes em massa na votação.

Participação expressiva no pleito

O presidente do EUA, Barack Obama, e outros líderes mundiais saudaram a coragem dos eleitores, que saíram de casa para votar mesmo com o mau tempo e ameaças dos fundamentalistas islâmicos do Talibã, que consideraram as eleições no país uma “conspiração estrangeira”. De acordo com autoridades, ataques mataram pelo menos 20 pessoas.

A comunidade internacional saudou a mobilização dos eleitores e considerou que a participação de cerca de 7 milhões dos cerca de 13,5 milhões de eleitores é um sinal dos progressos alcançados no país, após o afastamento do Talibã do poder, em 2001.

A votação, a primeira transferência de poder de um presidente afegão eleito democraticamente, é considerada uma prova decisiva para o país de 28 milhões de habitantes, que deverá demonstrar sua estabilidade quando as forças da coalizão internacional deixarem o país, no fim do ano.

Os primeiros números parciais das eleições afegãs deverão ser divulgados no domingo. Os resultados oficiais deverão ser conhecidos no dia 24 de abril e um eventual segundo turno – caso nenhum candidato obtenha mais de 50% dos votos – está marcado para 28 de maio.

FC/ap/afp/dpa/ap/lusa

Leia mais