1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Campeão olímpico admite ter tomado anfetamina

Confissão de ídolo do esporte alemão foi transmitida ao vivo pela tevê. Ciclista nega intenção de doping, assume conseqüências e promete voltar a brilhar. Promotoria de Munique abre inquérito por consumo de droga.

default

Ullrich pode ser suspenso por até um ano

O campeão olímpico Jan Ullrich confessou, neste sábado, ter tomado dois comprimidos na discoteca Pacha, em Munique, em 11 de maio. Afastado dos treinos e competições devido a uma lesão no joelho, o ciclista foi surpreendido no dia seguinte com a realização de um teste antidoping, durante tratamento na clínica Medical Park St. Hubertus, em Bad Wiessee.

A análise identificou a presença de anfetamina na urina do ídolo de 28 anos. O resultado do exame, porém, só chegou a conhecimento público na última quarta-feira. Medalha de ouro em Sydney, Ullrich preferiu não seguir o exemplo do corredor Dieter Baumann, nem do lutador Alexander Leipold. O ciclista reconheceu ter tomado substância proibida e renunciou à abertura da contraprova.

Queridinho admite burrice – "Cometi uma burrice enorme. Admito e assumo todas as conseqüências. Mas talvez este episódio tenha também seu lado bom", declarou em Frankfurt o campeão da Volta da França de 1997, diante de mais de 200 jornalistas e câmeras de tevê que transmitiam a entrevista ao vivo para toda a Alemanha.

Em pesquisa de opinião pública, Ullrich fora eleito em dezembro o segundo atleta mais querido do país em 2001. Antes da Copa do Mundo, ele chegava a ser mais conhecido do público alemão do que qualquer jogador de futebol.

Punição pro forma à vista – Já sem treinar há meses e fora da Volta da França deste ano devido à lesão no joelho, o principal astro da equipe Deutsche Telekom deverá ser suspenso por seis a 12 meses. "Vamos tomar as providências normais e preparar o processo. Depois, a comissão disciplinar da Federação Alemã de Ciclismo tomará sua decisão", anunciou Sylvia Schenk, presidente da entidade. O dossiê deverá ser entregue à comissão já na segunda-feira. Schenk promete uma "conclusão rápida do processo".

Com isto, a suspensão pode influenciar pouco a vida esportiva de Ullrich, que com certeza não voltará sequer a treinar antes do fim do ano. "Não há cura rápida para seu joelho. Sua situação é muito preocupante", revela o médico Hubert Hörterer, responsável pelo tratamento de reabilitação. Hörterer não teme, porém, que seja preciso encerrar a carreira por razões de saúde. "Acho que Jan Ullrich poderá alcançar novamente seu velho desempenho", diz o médico.

Equipe mostra compreensão – O atleta também descarta a possibilidade de abandonar o esporte. "Vou começar a me preparar já para meu retorno", garante o ciclista, nascido há 28 anos em Rostock e radicado em Merding, na Floresta Negra. Ullrich espera poder continuar na Deutsche Telekom, embora seu contrato preveja a rescisão em caso de doping e a equipe o tenha licenciado – "com toda razão", segundo ele próprio. A direção da companhia telefônica, dona da equipe que leva seu nome, antecipou que não haverá demissão automática. Uma decisão só será tomada quando Ullrich "estiver novamente de pé".

A equipe parece ter aceitado os argumentos do campeão olímpico, que não considera doping a anfetamina ingerida. "Não se tratou de um recurso desonesto para melhorar meu desempenho e obter uma vantagem por meio proibido", defendeu-se Ullrich. "Um dia antes do exame, um cara que eu não conheço, me deu dois comprimidos. Disse que eram contra depressão", contou o atleta, que não sabe dizer se as pílulas eram de Ecstasy, a droga da moda na Europa. "Não sei como são", alegou o campeão olímpico, que admitiu estar na fossa devido a seu problema com o joelho: "Eu estava muito baixo astral."

De novo às voltas com a Justiça – O alemão garantiu que esta foi a única vez que tomou anfetamina em sua vida. A confissão pública, porém, lhe coloca pela segunda vez em poucos meses na mira da Justiça. A Promotoria de Munique abriu inquérito contra Ullrich, por infringir a Lei de Entorpecentes, por consumir substância proibida. Em maio, o queridinho da Alemanha já decepcionara seus fãs após ter causado um acidente de trânsito e fugir sem prestar socorro às vítimas, quando dirigia embriagado na noite de 1º de maio.