1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Campanha tenta trazer bom humor aos alemães

Depois de anos de estagnação econômica, os ânimos dos alemães encontram-se em baixa. Na tentativa de mudar o estado de espírito coletivo, foi lançada uma campanha publicitária em todo o país.

default

Comparar o cidadão comum a Einstein... Será que funciona?

As 25 maiores organizações da mídia da Alemanha iniciaram, na última semana, uma campanha orçada em 30 milhões de euros. O lema é no mínimo curioso: "Você é a Alemanha". O objetivo? Tentar levantar os ânimos dos 82 milhões de cidadãos do país.

Programada para estender-se por cinco meses, a iniciativa deve preencher as páginas de jornais e revistas do país com anúncios "em prol do otimismo". Mesmo em meio a um cenário de alto desemprego, fraca conjuntura e estagnação econômica.

Autoconfiança e motivação

"A Alemanha propaga uma imagem de si mesma pior do que a situação realmente é", comenta Bernd Kundrun, do grupo Bertelsmann, o gigante da mídia do país, ao apresentar a campanha em setembro último. "Queremos
impulsionar uma mudança de conscientização, com vistas a uma maior autoconfiança e motivação das pessoas", diz Kundrun.

A grande aliança dos grupos de mídia, que ocupa espaço televisivo e páginas de jornal, atraiu uma boa parcela da sociedade alemã para a campanha. Além de incluir personalidades bem conhecidas da vida pública do país, como o goleiro Oliver Kahn e o crítico literário Marcel Reich-Ranicki.

Du bist Deutschland Du bist Beckenbauer Kampagne

O ex-jogador de futebol Franz Beckenbauer é outra das personalidades envolvidas na campanha

A iniciativa também busca referências em figuras históricas como Beethoven e Albert Einstein. Tanto na TV quanto nos jornais ou na web, todos os anúncios tentam impulsionar os alemães a tomar as rédeas na retomada do desenvolvimento do país.

Pessimismo e tragédia

Afastar o mau humor e o pessimismo, que vêm dando o tom no país nos últimos anos, pode ser uma árdua tarefa. Com cinco milhões de desempregados numa economia que é a maior da Europa e a terceira do mundo, muitos alemães continuam com medo do futuro, como mostram algumas recentes pesquisas de opinião.

As eleições antecipadas do último 18 de setembro também não ajudaram. O resultado das urnas provocou uma situação em que tanto o chanceler federal, Gerhard Schröder, quanto a líder democrata-cristã, Angela Merkel, reclamam para si o direito de governar o país nos próximos quatro anos.

Crise de identidade tem raízes profundas

Jo Groebel, psicólogo e diretor do Instituto Europeu de Mídia, sediado em Düsseldorf, elogiou a nova campanha, por esta tentar sacudir o país e tirá-lo de seu estado de torpor. Entretanto, salienta Groebel, as raízes da crise de autoconfiança dos alemães são bastante profundas.

"Os alemães têm passado de uma crise de identidade a outra nos últimos 150 anos", observa Groebel. "É verdade que os alemães têm um desejo enorme de estabilidade, mas justamente porque nunca a tiveram. Problemas econômicos, como o desemprego em massa, só vieram a aumentar o medo de que tudo viesse a desmoronar", comenta o especialista.

Reclamar virou passatempo nacional

De uma certa forma, os temores dos alemães são exagerados. O país é o líder mundial em exportações e continua a oferecer a seus cidadãos padrão de vida extremamente confortável.

Entretanto, quando a globalização começou a ameaçar os empregos bem pagos e o governo foi forçado a cortar uma série dos generosos benefícios sociais, reclamar tornou-se o principal passatempo nacional.

Mudança de mentalidade

Embora os organizadores da campanha estejam cientes de que a iniciativa não poderá, sozinha, por fim ao mal-estar dos alemães, espera-se que seja possível pelo menos despertar um desejo de "pôr as mãos na massa" no país.

Um tipo de comportamento que, diga-se de passagem, ajudou a Alemanha a superar o maior obstáculo da sua história: a reconstrução após a Segunda Guerra Mundial.

Humor miserável

Ulrich Wickert

Apresentador de TV Ulrich Wickert: 'o que o cidadão pode fazer pelo país'

Num spot publicitário veiculado pela TV, Ulrich Wickert, um dos apresentadores de notícias mais conhecidos no país, recorre a uma famosa declaração do ex-presidente norte-americano John F. Kennedy: "Não pergunte o que seu país pode fazer por você, mas o que você pode fazer pelo seu país".

Todas as grandes redes de televisão do país transmitiram, simultaneamente, o início da campanha em setembro último, registrando uma audiência de aproximadamente 17 milhões de pessoas. Alguns observadores estão, todavia, céticos quanto ao resultado da campanha.

"É difícil prever se a população vai se mobilizar. É claro que algo tem que mudar. Entretanto, a situação econômica do país está ligada ao humor miserável da população. Quem acha que o mundo vai acabar amanhã não deveria gastar montanhas de dinheiro numa loja de ferramentas hoje", ironiza o diário Sächsische Zeitung.

Leia mais