CAMPANHA OFICIAL APRESENTA ALEMÃO COMO ″LÍNGUA DAS IDEIAS″ | Escreva sua opinião, comentários, críticas ou sugestões | DW | 06.03.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Sua Opinião

CAMPANHA OFICIAL APRESENTA ALEMÃO COMO "LÍNGUA DAS IDEIAS"

A campanha "Alemão, língua de ideias", batata transgênica na Europa, consumo em tempos de crise, manejo ambiental responsável e a nomeação de Rousseff foram os temas que mais repercutiram esta semana. Não deixe de ler!

default

"Alemão, língua das ideias" é o mais sugestivo, adequado, renovador, instigante e criativo termo para uma brilhante campanha na difusão da língua alemã. A riqueza da cultura alemã só pode ser entendida em sua essência se aprendermos o idioma. Isto é fundamental para qualquer pessoa que queira travar conhecimento com outras culturas – o aprendizado.

Fico muito satisfeito e agradecido por esta grande iniciativa para que o alemão possa cada vez mais ser ensinado entre as nações. Hoje o inglês é a língua "predominante", o francês e o espanhol - aqui, ali, acolá... Mas com certeza faço votos para que esta "missão linguística" seja coroada de êxito desde já.

Francisco Waitz

NOVO TIPO DE TRANSGÊNICO GANHA SINAL VERDE NA EUROPA

Aqui no Brasil dificilmente haverá um controle da produção de alimentos. O Brasil é um país agrícola e depende da tecnologia que as multinacionais nos trazem! As multinacionais querem apenas os resultados financeiros, não se importam com as consequências destes alimentos.

O que me faz pensar é, se a Europa reluta tanto em plantar transgênicos – e segundo Moldenhauer só 0,05% do total da área é plantada com transgênicos e, mais ainda, os europeus têm muita resistência a alimentos deste tipo –, da mesma forma nós brasileiros deveríamos ter esta mesma preocupação. Mas pelo visto nada disto acontecerá e na mesa dos brasileiros já estão os produtos transgênicos. Só o futuro nos mostrará as consequências e nos dirá a verdade!
Odalberto Domingos Casonatto

ESTÍMULO AO CONSUMO EM TEMPOS DE CRISE AMEAÇA FUTURO SUSTENTÁVEL

Gostei muito do texto sobre estímulo ao consumo em tempos de crise, estou plenamente de acordo com o parecer de Sir Charles Hopkins, tenho duas filhas e falo sempre na preservação do meio ambiente, e digo: "Filhas, temos que viver com o que temos", é nosso princípio básico. Só precisamos do necessário para sobreviver. Acredito que a propaganda influi bastante na decisão dos jovens.

Dissemos que devemos cuidar do meio ambiente, mas fazemos experiências nucleares no mar, terra, etc... Educação começa na infância com os pais ou responsáveis, a ciência material e a espiritual tem que andar juntas. Deve ter um equilíbrio de compreensão, porque senão acontece o que esta acontecendo. Um planeta com guerra e um planeta que não consegue progredir no conhecimento.
José Henrique Woelffel Vergo

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL CERTIFICA O MANEJO AMBIENTAL RESPONSÁVEL

Já dizia Chateaubriand: os seres humanos passam, e os desertos os seguem. O ser humano é predador, o sistema imperante é predatório, o interesse imediato prevalece. A reação a este estado de coisas é insuficiente. O planeta está superpovoado, além do razoável, as consequências aí estão. Mas iremos até o fim. Por que retardar a extinção das espécies?
João Gualberto Pinheiro Junior

PARA MÍDIA ESTRANGEIRA DILMA ROUSSEFF É "DAMA DE FERRO"

Se o presidente Lula confia, devemos segui-lo em função da seriedade e dedicação com que ele trata o povo brasileiro. Os resultados falam por si.
Luiz Carlos Gigante Pereira

Vislumbro um cenário político desagradável para o meu país com a possível eleição da senhora Dilma para a presidência do meu Brasil. O partido político que ela representa e os correligionários que ela possui atualmente e "companheiros" novos que certamente serão agregados ao palanque eleitoral trarão pessoas comprometidas com princípios políticos que eu não comungo. Espero, com fé e trabalho, que seja possível reverter este cenário que se desenha e que meu Brasil seja governado por outras pessoas.
Luis Ernesto Xavier

Quando Dilma fazia oposição ao golpe militar de 64, não era como agora. Fazer oposição naquela época era contra as "leis". Ser democrata era crime. Os militares não conquistaram o poder através do voto, foi com tanques e baionetas. Para enfrentar aquela situação, era preciso muita coragem e decisão. Muitos dos políticos que hoje fazem pose de grandes homens não foram na prática nem um pouco. Muitos se exilaram. Se exilar significa popularmente "dar no pé", "picar a mula", "desertar", não foram exilados.

Viram a coisa preta e fugiram para o exterior. Ou estou errado? A Dilma não fugiu. Foi presa. Sofreu torturas e ainda sofre hoje críticas dos que se exilaram. Acham que chamá-la de guerrilheira é ofensa! E eles que não foram guerrilheiros, vamos chamá-los do quê? Covardes? Para fazer oposição hoje em dia está fácil. Basta ter inteligência, planejamentos consistentes para o futuro, líderes competentes e aglutinadores, poder de decisões rápidas e certas. Eu gostaria que o Brasil tivesse uma oposição mais bem preparada para os novos tempos. Seria bom para todos. O atual governo teria que ser mais exigente consigo mesmo.
Zeno Jose Otto

Leia mais