Campanha de Trump manteve contatos frequentes com russos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 15.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Campanha de Trump manteve contatos frequentes com russos

"New York Times" revela que consultas com inteligência da Rússia eram frequentes durante o ano que antecedeu a vitória eleitoral do republicano. Ligações coincidem com momento em que magnata começou a elogiar Putin.

Os contatos ocorreram na mesma época em que Trump (esq.) elogiava publicamente o presidente russo, Vladimir Putin

Os contatos ocorreram na mesma época em que Trump (esq.) elogiava publicamente o presidente russo, Vladimir Putin

Membros da campanha eleitoral do hoje presidente Donald Trump mantiveram contatos frequentes com altos funcionários da inteligência russa ao longo do ano que antecedeu a eleição americana, revela em reportagem nesta terça-feira (14/02) o jornal The New York Times.

A revelação, feita com base em registros telefônicos e em ligações  interceptadas, chega ao público um dia após a renúncia do assessor de Segurança Nacional Michael Flynn, que mentiu à Casa Branca sobre conversas que manteve com o embaixador russo em Washington.

O NYT diz que, segundo quatro fontes familiarizadas com as investigações, as comunicações entre a Rússia e a campanha de Trump foram interceptadas em atividades de rotina dos serviços de inteligência que monitoram cidadãos e autoridades russas conhecidas das agências americanas

Segundo o jornal, agências de segurança e inteligência interceptaram as comunicações na mesma época em que descobriram provas de que a Rússia tentava sabotar as eleições presidenciais através de ciberataques ao Comitê Nacional do Partido Democrata.

Antes da posse do novo governo, o então presidente Barack Obama foi informado das comunicações entre supostos membros da inteligência russa e membros da campanha e funcionários das empresas Trump.

As agências americanas ficaram alarmadas com a quantidade de contatos ocorridos na mesma época em que Trump se pronunciava favoravelmente ao presidente russo, Vladimir Putin. O conteúdo das ligações, porém, não foi revelado pela reportagem.

As conversas gravadas não têm associação com os telefonemas de Flynn, nos quais ele teria discutido com o embaixador russo as sanções impostas pelo governo Obama em reação à suposta interferência russa nas eleições.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, afirmou nesta terça-feira que o presidente sabia há semanas que Flynn tinha mentido para o governo, especialmente para o vice-presidente Mike Pence, mas não tomou nenhuma atitude imediatamente.

Investigação independente

Enquanto aumentam os pedidos por uma investigação independente sobre a controvérsia envolvendo Michael Flynn, a Casa Branca informou que semanas de investigações internas não haviam encontrado evidências de má conduta, mas que o episódio acabou comprometendo a confiança nele, motivo pelo qual o governo pediu sua renúncia.

Inicialmente, o governo tentou dar a impressão de que a decisão de remover Flynn se baseava no fato de que ele tinha mentido para o vice-presidente. No dia seguinte, porém, foi revelado que Pence, que havia publicamente defendido Flynn, foi informado sobre a situação apenas na última quinta-feira.

Republicanos e democratas no Congresso pedem que o caso seja investigado, ainda que haja divergências sobre o alcance das investigações. Os democratas insistem que o presidente deve prestar esclarecimentos, enquanto os republicanos querem manter o foco em Flynn.

O líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, afirmou ser "altamente provável" que o ex-assessor tenha que testemunhar perante um comitê de inteligência do Congresso.

RC/afp/rtr

Leia mais