Campanha de Macron foi alvo de hackers russos, dizem especialistas de segurança | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 25.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

França

Campanha de Macron foi alvo de hackers russos, dizem especialistas de segurança

Empresa afirma que coletivo Pawn Storm tentou interferir na campanha do candidato à presidência da França. Grupo é suspeito de ligação com os serviços secretos russos.

A campanha eleitoral do candidato à presidência da França Emmanuel Macronfoi alvo de ciberataques realizados por hackers russos, afirmaram especialistas da empresa japonesa de segurança cibernética Trend Micro nesta terça-feira (25/04).

Os pesquisadores acreditam que o grupo por trás da ação é um coletivo de hackers conhecido pelos nomes Pawn Storm, Fancy Bear, Tsar Team e APT28 e suspeito de ter vínculos com serviços secretos russos. Eles já haviam sido acusados de ciberataques ao Partido Democrata durante a campanha de Hillary Clinton à Casa Branca em 2016.

Segundo o relatório da Trend Micro, os ataques à campanha de Macron consistiram em várias tentativas de phishing, uma técnica utilizada por hackers para roubar informações pessoais de usuários por meio de e-mails fraudulentos ou direcionando o internauta para páginas falsas na internet.

De acordo com o jornal francês 20 minutes, entre meados de março e abril, o coletivo russo lançou na internet quatro domínios com endereços similares aos do movimento político "Em Marcha!", de Macron, na tentativa de enganar os apoiadores e funcionários da campanha que tentavam acessá-lo.

A equipe de Macron já havia anunciado em meados de fevereiro ter sofrido "milhares de ciberataques provenientes das fronteiras russas". O diretor da campanha online do candidato centrista, Mounir Mahjoubi, confirmou a tentativa de espionagem à agência de notícias AP, mas disse que ela não foi bem-sucedida. "É algo sério, mas nada foi comprometido", garantiu o funcionário.

Nesta segunda-feira, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, negara qualquer envolvimento russo na campanha eleitoral francesa. "Que grupos? De onde? Por que a Rússia? Tudo isso lembra as acusações de Washington que permanecem vazias e desonram seus próprios autores", afirmou.

Macron venceu o primeiro turno da eleição presidencial francesa com 24,01% dos votos e enfrentará a populista de direita Marine Le Pen no segundo turno, marcado para 7 de maio.

EK/afp/ap/efe/lusa/ots

Leia mais