1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Caminhada nórdica conquista os alemães

Fazer longas caminhadas com o apoio de dois bastões similares aos do esqui é a mais nova mania entre os alemães.

default

Bons sapatos, bastões e muita disposição

Encontrar uma pessoa caminhando rápido com o apoio de dois bastões pode, à primeira vista, parecer bastante estranho. Muitos não escondem o riso e acham a cena "coisa de louco". Na Alemanha, a prática da caminhada nórdica, originalmente nordic walking, é o esporte do momento e conta com um número cada vez maior de adeptos.

Weltcup-Super-G in Cortina d'Ampezzo Hilde Gerg

A esquiadora alemã Hilde Gerg

Eles caminham a passos rápidos pelas montanhas, florestas e até na beira dos rios, unindo o esporte à agradável apreciação da natureza. Proveniente da Finlândia, este tipo de caminhada teve origem nos esportes de inverno escandinavos. Já que o esqui não pode ser praticado sem a presença de neve suficiente no solo, os alpinistas inventaram a caminhada com os bastões para os meses mais quentes do ano.

A caminhada nórdica é feita com um ritmo acelerado, sem chegar a ser uma corrida. Os braços são apoiados nos bastões que, por sua vez, ficam presos no pulso com uma cordinha para evitar que escorreguem. Na Alemanha, o esporte começou a ser praticado primeiramente no sul, nas regiões montanhosas. Lá já existem inclusive pistas e rotas específicas para este tipo de caminhada. Os adeptos andam geralmente em grupos, mas há os que preferem curtir o trajeto sozinhos.

Simples e eficiente

Um dos segredos do sucesso deste esporte na Alemanha, que já invadiu todos os Estados do país, talvez seja sua praticidade. Não exige muita concentração, nem um esforço sobre-humano. Mesmo com um ritmo menos intenso de caminhada, a queima de gordura acontece, uma vez que 90% da musculatura é estimulada. Em outras palavras, excelente para quem deseja emagrecer.

A dica para os principiantes é começar a andar com os bastões em terreno plano. Os bastões, aliás, devem ser bem escolhidos e adequados à altura de cada um. Durante a fase de aquecimento, as mãos devem segurar os bastões com firmeza. Depois, eles devem ficar soltos nos pulsos e apenas pegos individualmente, a cada passo.

O bastão que faz a diferença

Nordic Walking

Um grupo faz a caminhada nórdica em Munique

Caminhar com ou sem bastões, acredite, faz diferença. Eles ajudam a melhorar a postura, amenizam o impacto sobre as articulações das pernas, joelhos e calcanhares. Além de exercitar os membros inferiores, induzem à utilização dos membros superiores e a musculatura do tórax.

Os especialistas costumam recomendar este tipo de caminhada para quem deseja praticar esporte, mas tem problemas nas articulações dos joelhos, quadris e coluna vertebral, já que propicia um alívio de até 30%na carga sobre o aparelho locomotor.

Agora é moda

Não é à toa que a caminhada nórdica virou moda na Alemanha. Estima-se que seis milhões de pessoas já aderiram ao esporte no país. O curioso é que a maioria é do sexo feminino. "As mulheres são mais determinadas", tentou explicar o treinador Bernd Schäufle, autor de um livro detalhado sobre o nordic walking.

O instituto alemão para o walking classifica os diversos tipos de caminhada nórdica. Em comum, têm o passo rápido e a postura dos braços ao longo da coluna. A partir dos 130 passos por minuto, o nordic walking passa a se chamar power walking, uma modalidade só recomendada para os mais experientes.

O wogging walking acrescenta pesos nos pulsos e nos calcanhares. Já o nordic jogging é praticado com corrida, enquanto o hill walking se limita à escaladas. E tem mais: o aqua walking, a mais suave das variantes. Como é praticada dentro da água, o impacto nas articulações é mínimo sem deixar de exercitar a musculatura.

A modalidade mais popular continua sendo a básica, que qualquer um pode praticar, independente da faixa etária. E, se depender dos alemães, a caminhada nórdica conquistará definitivamente um espaço entre os esportes mais praticados no país.

Leia mais