1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Cameron busca acordo para evitar saída do país da UE

Em Bruxelas, premiê britânico tenta acordo para a permanência do Reino Unido no bloco europeu. Líderes da UE sustentam que valores fundamentais da Europa, como a liberdade de movimento, devem ser respeitados.

Durante a reunião de cúpula da União Europeia em Bruxelas nesta quinta-feira (17/12), os líderes europeus fizeram uma pausa nas discussões sobre a crise dos refugiados para lidar com outra ameaça à integridade do bloco das 28 nações: a possível saída do Reino Unido da UE.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, aproveitou a ocasião para negociar um acordo para renovar os laços do Reino Unido com a UE, que ele poderá utilizar para persuadir os parlamentares britânicos a defender a permanência do país no bloco europeu. O premiê planeja para o final de 2017 um referendo que irá decidir sobre uma possível saída britânica na UE.

"Nada é certo na vida, assim como em Bruxelas, mas há um caminho para um acordo em fevereiro", afirmou Cameron à imprensa na manhã desta sexta-feira.

O premiê disse aos demais líderes durante um jantar na quinta-feira que se eles desejam a permanência do Reino Unido no bloco, deverão levar em consideração a preocupação dos britânicos sobre a redução da imigração.

A chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, reagiu com cautela, dizendo o grupo está disposto a ouvir as preocupações britânicas, ainda que alguns valores que Londres deseja restringir, como o livre trânsito entre os países da Europa, sejam inegociáveis.

"Deixamos claro que estamos abertos a um acordo, mas sempre tendo por base a salvaguarda dos princípios fundamentais europeus, que incluem a não discriminação e a liberdade de movimento", afirmou a chanceler.

O presidente da França, François Hollande, foi mais incisivo que sua colega alemã, ao considerar "inaceitável" o desejo britânico de adquirir direitos especiais. "Enquanto é legítimo que ouçamos o primeiro-ministro britânico, é inaceitável rever compromissos fundamentais da UE."

"Poderá haver ajustes, adaptações, mas as regras e princípios europeus devem ser respeitados", observou Hollande, apontando que os problemas de relacionamento com o Reino Unido remetem ao fato de o país não adotar a moeda europeia, além de sua posição quanto à imigração.

A reunião de cúpula da UE prossegue ainda nesta sexta-feira. Além da crise migratória, estarão em pauta novas medidas contra o terrorismo, após os ataques de Paris em novembro, e a possibilidade do bloco lançar novas sanções à Rússia em razão de seu papel na crise da Ucrânia.

RC/afp/dpa/rtr

Leia mais