1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Cameron apresenta condições para permanência na UE

Premiê delineia quatro metas de reformas para evitar saída do Reino Unido do bloco, a qual deve ser votada em referendo. Comissão Europeia afirma que algumas das reivindicações são "altamente problemáticas".

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, apresentou nesta terça-feira (10/11) quatro metas de reforma na União Europeia (UE) como condições para que o Reino Unido permaneça no bloco. Um referendo sobre o futuro do Reino Unido na UE deve ser realizado até o fim de 2017.

Num discurso em Londres, Cameron defendeu que Bruxelas conceda mais autonomia a seus países-membros. "Nunca se esqueçam de que agora a União Europeia é composta por 28 antigas nações da Europa", disse. "Essa mesma diversidade é a maior força da Europa. O Reino Unido diz 'vamos comemorar esse fato, vamos reconhecer que a resposta para todos os problemas nem sempre é mais Europa'. Às vezes, ela é menos Europa."

O líder britânico também enviou nesta terça-feira uma carta ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, apresentando formalmente suas metas de reformas.

As quatro áreas em que Cameron exige mudanças incluem o fim da discriminação dos países que não pertencem à zona do euro (caso do Reino Unido), mais poder para os parlamentos nacionais e menos restrições burocráticas para aumentar a competitividade.

"Precisamos unir todas as propostas diferentes, promessas e acordos – sobre mercado único, comércio, diminuição de regulamentos – e juntar tudo num compromisso claro que imprima a competitividade no DNA de toda a União Europeia", disse.

A reivindicação mais controversa, porém, é a que prevê maior controle sobre a política de migração, impedindo imigrantes de alguns países-membros da UE de reivindicarem alguns benefícios durante os quatro primeiros anos no país.

Cameron garantiu que deseja a permanência de seu país na UE, desde que possa garantir uma maior autonomia para o Reino Unido. O Partido Conservador de Cameron perdeu terreno para partidos eurocéticos abertamente hostis à adesão à União Europeia, mas o Partido Trabalhista e outros da oposição dizem que vão se opor a uma saída da UE.

Comissão Europeia critica propostas

A Comissão Europeia advertiu nesta terça-feira que algumas das reivindicações do Reino Unido para continuar a integrar a União Europeia são "problemáticas".

Na entrevista coletiva diária do órgão executivo da UE, o porta-voz Margaritis Schinas observou que a comissão recebeu a carta do premiê britânico endereçada a Tusk. Comentando o discurso de Cameron, ele afirmou que vê vários elementos "que parecem ser executáveis", enquanto outros são "difíceis" e alguns "altamente problemáticos".

Questionado sobre a proposta de Londres de impor uma restrição de quatro anos aos imigrantes europeus até estes terem acesso a benefícios no Reino Unido, o porta-voz comentou que algumas pretensões do governo britânico "afetam as liberdades fundamentais do mercado interno, e a discriminação direta entre cidadãos da UE entra claramente nessa categoria".

O porta-voz acrescentou que a Comissão Europeia encara a carta do primeiro-ministro como sendo o início das negociações, e não o fim, e reiterou que, tal como o presidente do órgão, Jean-Claude Juncker, tem afirmado repetidamente, Bruxelas está pronta a negociar um acordo que seja justo para o Reino Unido e também para os demais Estados-membros da União Europeia.

MD/ap/rtr/lusa/afp

Leia mais