1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Caldeirão cultural em Weimar

Com 41 espetáculos sob o lema “Observe Seus Passos”, o festival na cidade alemã reúne atores, músicos e bailarinos de 12 países até o próximo 1° de setembro.

default

Companhia Neigbourhood Watch, na abertura do festival

Grandes espetáculos na "segunda terra" de Goethe. O 12° Festival Cultural de Weimar traz à cidade alemã por quatro semanas uma série de espetáculos teatrais, concertos, leituras e simpósios.

Aberto na última quarta-feira (7/8) com a apresentação de sete trupes de teatro de rua, o evento foi divulgado em toda a Alemanha. Berço do classicismo alemão, a cidade cujo nome está tradicionalmente ligado a Goethe e Schiller, tem recebido um grande número de turistas desde a reunificação alemã.

Caldeirão - Entre os convidados internacionais, destaca-se o Balé Gulbekian, de Lisboa, o Ballet du Grand Théâtre de Geneve e a companhia Marie Chouinard, de Montreal. Um caleidoscópio de influências é oferecido aos espectadores da cidade pelo Elisa Monte Dance, conhecido por suas coreografias atléticas e inusitadas.

Fundado em 1981 por Elisa Monte e David Brown, ambos ex-membros da companhia de Martha Graham, o grupo reúne bailarinos japoneses, cubanos, eslovacos, sul-africanos, norte-americanos e do Caribe. Misturando clássico com elementos pop e referências etnográficas, a trilha sonora do tanztheater apresentado em Weimar vai de Nina Simone a Steve Reich.

Violência como Tema - Outra destaque do festival em Weimar é o israelense Kibbutz Contemporary Dance Company, que apresenta a coreografia Screensaver (Descanso de Tela), um comentário sobre o conflito no Oriente Médio. Usando a escalada da violência no país como pano de fundo, o grupo registrou há pouco um número recorde de espectadores em Tel Aviv.

O Kibbutz Contemporary Dance, que se tornou uma das melhores companhias de dança contemporânea da atualidade, foi formado a partir de uma trupe de bailarinos amadores no kibbutz Ga‘aton, localizado perto da fronteira libanesa de Yehudit Arnon. Com Screensaver, o grupo introduz pela primeira vez em suas coreografias intervenções dos trabalhos em vídeo de seu diretor Rami Be‘er.

Ainda no programa de dança, está presente em Weimar a companhia catalã Lanònima Imperial. Em Corpo de Sombra e Luz, o coreógrafo Juan Carlos García contrasta imagens dos bailarinos com instalações da artista espanhola Paloma Navares.