1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Cúpula teuto-russa tem potencial para confrontações

Merkel e Putin estarão frente à frente no Diálogo de São Petersburgo, neste fim de semana. Mesmo evitando falar dos EUA, há diversos pontos sensíveis. Verdes exigem advertência por atitudes antidemocráticas russas.

default

Wiesbaden se prepara para o Diálogo de São Petersburgo

Com a ameaça do governo russo de abandonar o Tratado de Armas Convencionais, o encontro entre o presidente Vladimir Putin e a chanceler federal alemã, Angela Merkel, em Wiesbaden ganha maior potencial dramático.

Tal, entretanto, não impede que a pitoresca cidade se prepare para a cúpula teuto-russa (o sétimo dos chamados "Diálogos de São Petersburgo") com flores e faixas decorativas. Antes da Primeira Guerra Mundial, Wiesbaden era um local balneário predileto da nobreza russa. Agora, espera-se do encontro que ele dê um novo impulso à colaboração bilateral, no contexto da União Européia.

Potencial para controvérsias

Entretanto, nem todos os tópicos da pauta serão simples ou agradáveis. "Continuaremos o diálogo aberto e confiante com nossos parceiros alemães sobre os temas internacionais mais urgentes", declarou porta-voz do Ministério do Exterior em Moscou.

As conversas dos dias 14 e 15 de outubro centrar-se-ão na análise conjunta de problemas globais. Entre estes, contam as questões de desarmamento e o abastecimento energético da Europa Ocidental, além da situação no Afeganistão, nos Bálcãs, no Iraque e em Israel.

Ainda não está claro se será tematizado o plano dos Estados Unidos de instalar na Europa parte de seu sistema global antimísseis. Porém, mesmo sem este elemento, há suficiente material explosivo para as conversações, já que os posicionamentos de Berlim e de Moscou em relação ao Kosovo não são totalmente compatíveis.

"Conversas abertas, honestas e intensas"

Symbolbild Deutschland Russland Merkel und Putin

Putin e Merkel: em breve, unidos

O Diálogo de Petersburgo é uma conferência teuto-russa periódica, criada por Putin e o anterior premiê alemão, Gerhard Schröder, em 2001, com o fim de aproximar as duas sociedades. O evento já se iniciou neste sábado (13/10), porém Putin e Merkel só se encontrarão no segundo dia.

Em seu podcast semanal, a chefe de governo alemã declarou que seu país e a Rússia mantêm uma "parceira estratégica", e que, apesar das diferenças de opinião, as duas nações compartilham opiniões sobre diversos tópicos.

"Já tive muitas conversas abertas, honestas e muito intensas com o presidente Putin, e estou feliz de poder fazê-lo novamente", assegurou Merkel.

Alarma dos verdes

Os políticos do Partido Verde alemão apelaram neste sábado à premiê para que não cale, no tocante aos déficits democráticos da Rússia. O porta-voz do partido para assuntos de direitos humanos, Volker Beck, instou Merkel que advirta Putin contra sua tentativa de "torcer a Constituição".

O dirigente russo anunciou recentemente a intenção de se tornar primeiro-ministro, após as eleições de 2 de dezembro, a fim de concluir a "transformação política" que iniciara há alguns anos.

Beck admite que o plano satisfaz as exigências estritamente formais da Constituição russa, segundo as quais um chefe de Estado não pode concorrer a um terceiro mandato. Entretanto, dobrar assim lei russa, sem quebrá-la, equivale a um "putsch pseudo-legal", um "golpe anticontitucional não-violento", condenou o político verde. (av)

Leia mais