1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Cúpula em Berlim: a hora do consenso

O chanceler Gerhard Schröder convidou o presidente francês Jacques Chirac e o primeiro-ministro britânico Tony Blair para um encontro em Berlim. As divergências na crise do Iraque deverão ser superadas na conferência.

default

Os "três grandes" da Europa querem retornar aos "bons tempos"

A conferência de cúpula do próximo sábado (20/09) visa tratar de questões econômicas e de política exterior. Os três países são membros do Conselho de Segurança da ONU: a França e a Grã-Bretanha são membros permanentes, a Alemanha cumpre atualmente um mandato de dois anos. O órgão máximo das Nações Unidas deverá votar dentro em breve a proposta dos Estados Unidos sobre o envio de tropas internacionais ao Iraque.

Os três chefes de governo desejam, ao que tudo indica, superar suas divergências na política para o Iraque antes da votação no Conselho de Segurança. E o chanceler Gerhard Schröder decidiu aproveitar a oportunidade para a obtenção de um consenso com os dois principais aliados da Alemanha, ainda antes da sua viagem a Nova York para participação na Assembléia Geral das Nações Unidas.

Posições comuns

Segundo o porta-voz do governo alemão, Bela Anda, a conferência de cúpula deverá esclarecer as "posições comuns na política exterior". Um porta-voz do primeiro-ministro Tony Blair também confirmou que a reunião de Berlim tratará principalmente da planejada resolução da ONU sobre o Iraque.

Schröder e Chirac deverão reunir-se já nesta quinta-feira (18/09) em Berlim, no âmbito das consultações rotineiras entre os dois países. Após seu último encontro em Dresden, dia 4 último, o presidente francês e o chefe de governo alemão rejeitaram a proposta de resolução apresentada pelos EUA como insuficiente. A sugestão americana prevê um papel mais importante para a ONU no Iraque, mas toda a ação deve continuar sendo comandada pelos Estados Unidos, segundo a proposta.

No dia 13 último, os ministros de Relações Exteriores dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (EUA, França, Grã-Bretanha, Rússia e China) reuniram-se em Genebra para tratar da questão, mas não lograram chegar a um consenso.

Ausências

O convite para a reunião tripartite de Berlim, no próximo sábado, foi precedida de uma controvérsia sobre a eventual participação do primeiro-ministro espanhol José Maria Aznar. Da mesma forma como Londres, o governo de Madri apoiou os Estados Unidos na guerra do Iraque. O chefe de governo espanhol acabou não sendo convidado para a conferência de Berlim. Ele será informado posteriormente sobre as conversações pelo primeiro-ministro britânico Tony Blair, que o visitará em Madri na noite do domingo.

Também na Itália, a imprensa ocupou-se da ausência do chefe de governo Silvio Berlusconi na conferência de cúpula. O diário milanês Corriere della Sera afirmou na sua edição de quarta-feira (17/09): "A impressão real é de que ninguém sequer pensou na Itália durante os preparativos para o encontro de Berlim. Segundo as fontes bem informadas, o único debate sobre a abrangência da conferência de cúpula foi se também José Maria Aznar deveria ser convidado, conforme desejavam os ingleses. Mas Berlim e Paris foram irredutíveis."

Recuperação da imagem

O jornal italiano mostrou-se, no entanto, otimista quanto aos possíveis resultados do encontro: "A conferência de cúpula do sábado poderá ser uma boa base para a recuperação da imagem européia no cenário internacional, caso se logre encontrar os elementos para uma posição conjunta da Grã-Bretanha, da França e da Alemanha."

Leia mais