Cúpula do G8 anuncia primeiros resultados apesar de caos organizatório | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 08.07.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Cúpula do G8 anuncia primeiros resultados apesar de caos organizatório

Organização do encontro em Áquila é tão precária que até se fala em expulsar a Itália do G8. Desolação na região do terremoto reflete situação da economia mundial. Mas já há uma primeira promessa para o clima global.

default

Quem quer falar com Berlusconi (à dir. de Sarkozy e Medvedev)?

Conferências de cúpula necessitam de símbolos, e a cidade destruída de Áquila é um deles. Não há mais vida na capital da região de Abruzzo: a maioria dos 73 mil habitantes abandonou suas casas após o terremoto de abril de 2009; por toda a parte veem-se as barracas azuis da defesa civil.

O encontro do G8 que se iniciou nesta quarta-feira (08/07) também trata de algo que jaz por terra: a economia mundial. Aqui, a Rússia e os sete "líderes do mundo industrializado" – como o grupo se autodefine –, representam um estranho papel: a crise nasceu em seus países, mas sozinhos os oito não têm como dar conta dos problemas resultantes.

Ao que tudo indica, o formato do futuro será antes o G20, no qual o G8 deverá acabar se dissolvendo. Pois, sem economias emergentes como o Brasil, a China e a Índia, não há saída para a economia mundial. Um fato que até mesmo a chanceler federal alemã, Angela Merkel, reconheceu antes do encontro.

Obama e Merkel em albergue da juventude

O clima na cidade arrasada também espelha, de certo modo, o contexto da cúpula. Por todo lado há máquinas e operários que tentam reparar os danos. Porém, mesmo três meses após o terremoto, não se nota grande progresso. O mesmo se aplica aos trabalhos de recuperação após o grande crash financeiro: há esperanças, mas nenhum avanço perceptível.

Como seria de esperar, o primeiro-ministro Silvio Berlusconi utiliza a cimeira em solo italiano para polir a própria imagem. Originalmente, o encontro deveria realizar-se com toda pompa e circunstância no arquipélago La Maddalena, na costa da região da Sardenha.

Porém, após o terremoto em Abruzzo, o premiê mudou de ideia. Uma escola da polícia financeira serve como local de conferências. E, ao invés de pernoitar num cruzeiro de luxo, a hospedagem de Barack Obama, Merkel e companhia tem nível de albergue da juventude. Tudo condizente com a crise.

Caos organizatório

Na véspera da abertura, eram ácidas as críticas à organização do encontro. Segundo o jornal Guardian, a indignação de alguns participantes com as caóticas condições era tão grande, que até se cogitava expulsar a Itália do Grupo dos Oito.

O periódico britânico citou um diplomata da União Europeia: "O G8 é um clube, e clubes exigem contribuições de seus membros. A Itália não pagou as suas". Segundo Richard Gowan, do Centro de Cooperação Internacional de Nova York, "os preparativos da Itália para a cúpula foram caóticos do início ao fim".

O Ministério das Relações Exteriores em Roma rechaçou as acusações, falando de "um mal-entendido". Ainda segundo o Guardian, diplomatas criticaram ainda o fato de o esboço da declaração final pouco conter de novo.

Ponto para o clima global

Ainda assim, o G8 assinalou uma vitória no primeiro dia do encontro: o premiê sueco Fredrik Reinfeldt disse que os chefes de Estado e de governo chegaram a um consenso sobre a preservação do clima. Segundo a agência de notícias DPA, pela primeira vez, os Estados Unidos concordaram em limitar o aquecimento global a 2ºC acima da temperatura no início da era industrial.

Até 2050, os países do G8 pretendem reduzir à metade as emissões de gases-estufa em todo o planeta. Para as nações industrializadas, isto significaria ter que diminuir suas próprias emissões em 80% ou mais.

ONGs anunciam protesto

Protest G8 Gipfel in Rom 2009

Protestos já começaram antes mesmo da abertura

Enquanto isso, cerca de 15 mil agentes de segurança cuidam para que nada perturbe a conferência. Carabinieri vigiam cada ponte e cada saída da autoestrada entre Roma e Áquila, numa mobilização orçada em 90 milhões de euros. E os habitantes da cidade-palco da cúpula internacional se perguntam se não faria mais sentido investir toda essa verba na sofrida região.

Embora a maior parte das manifestações e passeatas contra o G8 devam ocorrer em Roma, algumas ONGs anunciaram um protesto em Áquila para a sexta-feira, último dia do encontro. Elas querem lembrar Berlusconi de suas promessas no tocante à ajuda ao desenvolvimento: em 2008, o anfitrião do G8 reduziu sua ajuda humanitária à África em 580 milhões de dólares.

AV/dw/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais