Cúpula da UE discutirá fundo permanente de resgate do euro | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 13.12.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Cúpula da UE discutirá fundo permanente de resgate do euro

Cúpula da União Europeia (UE) vai discutir prorrogação do fundo de ajuda para países-membros que venham a enfrentar futura crise. Proposta de criação de títulos de dívida conjuntos "eurobonds" é motivo de controvérsia.

default

Moeda em risco

O esforço conjunto para estabilizar o euro prossegue. A partir da próxima quinta-feira (16), líderes da União Europeia (UE) irão debater propostas para estabelecer um pacote de ajuda à moeda comum posterior a 2013, quando expira o atual fundo criado em resposta à atual crise.

A última reunião de cúpula do ano também deverá debater como os 27 países-membros poderão coordenar melhor suas políticas financeiras e econômicas. Dentre as discussões previstas, estará a discussão de uma mudança no Tratado de Lisboa, fruto da tumultuada experiência acumulada ao longo da crise do euro.

Segundo a proposta, os países da zona do euro deverão implementar mecanismos permanentes de resgate de países inadimplentes, assegurando a estabilidade da moeda como um todo.

Para a Alemanha, no entanto, que financiou boa parte do pacote de ajuda até agora, o resgate financeiro ocorreria apenas quando a situação colocasse em risco toda a zona do euro, e desde que todas as nações financiadoras concordassem.

Tratado de Lisboa

Para que as mudanças no tratado que estabelece regras para a administração do bloco europeu tenham validade é preciso a anuência de todos os Estados-membros. Obter a ratificação da Irlanda, no entanto, é um pouco mais complicado, já que no país a população precisa ser consultada.

Na Irlanda, o Tratado de Lisboa somente conseguiu ser ratificado em um segundo referendo, realizado em outubro do ano passado. Caso a União Europeia altere de fato o Tratado, as novas regras passariam a valer em 2013. A zona do euro, composta atualmente por 16 países, ganha mais um membro em 1° de janeiro de 2011, a Estônia.

Assunto espinhoso

Em discussão está também a introdução de títulos de dívida conjuntos, os chamados "eurobonds". A ideia dos títulos de dívida conjuntos, que teriam a finalidade de baratear a obtenção de novos empréstimos para países endividados da zona do euro, partiu do primeiro-ministro de Luxemburgo e presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, e do ministro italiano de Finanças, Giulio Tremonti.

A carga de juros seria dividida entre todos os países-membros, o que poderia aumentar significativamente os custos pagos pela Alemanha – há estimativas que esse valor poderia chegar a 17 bilhões de euros.

Os empréstimos do atual fundo de resgate financeiro da União Europeia já funciona, em princípio, dessa forma. No entanto, o valor total do pacote de resgate do euro válido até 2013 é restrito a 440 bilhões de euros. O Fundo Monetário internacional (FMI) participa com 250 bilhões adicionais.

Posições contrárias

Os "eurobonds" são rejeitados tanto pelo governo da Alemanha quanto pelo da França. Berlim e Paris formam as maiores economias da UE.

"Não estou convencido de que os cidadãos da França e da Alemanha ficariam felizes se a Sra. Merkel e eu aceitássemos carregar sozinhos os débitos europeus, enquanto for insuficiente a harmonização [das políticas econômicas]", declarou o presidente francês, Nicolas Sarkozy, durante encontro com a chefe de governo alemã, em Freiburg, no fim da última semana.

Numa referência aos "eurobonds", Merkel declarou na ocasião que compartilhar juros e riscos não ajudaria estruturalmente a União Europeia. "O que é mais importante é a coerência na política econômica", acrescentou.

NP/rts/afp/dw
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais