1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Cúpula da UE discute crise migratória

Países especialmente afetados pelo afluxo de refugiados se encontram em Bruxelas. Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, faz pressão sobre países dos Bálcãs.

Neste domingo (25/10), os chefes de Estado e governo da Áustria, Eslovênia, Croácia, Hungria, Romênia, Bulgária, Grécia e Alemanha se reúnem em Bruxelas para discutir sobre a crise migratória. Além deles, ministros de Luxemburgo e Holanda, como também representantes da Macedônia, Sérvia e Albânia, países que não são membros da União Europeia (UE), estão presentes ao encontro.

O ponto de partida da reunião é um plano de 16 pontos elaborado pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. De acordo com a agência de notícias Reuters, que teve acesso a um rascunho do documento final da cúpula, a vigilância da fronteira entre Grécia e Turquia deverá ser reforçada.

Brüssel Jean-Claude Juncker

Jean-Claude Juncker quer acirrar controle das fronteiras externas da União Europeia

Além disso, a agência de proteção de fronteiras da União Europeia (Frontex) deverá controlar melhor a passagem entre a Grécia, Macedônia e Albânia. Os Bálcãs deverão receber 400 guardas de fronteiras adicionais provenientes de outros países-membros da UE, diz a Reuters.

Afegãos, iraquianos e outros cidadãos asiáticos sem permissão de residência deverão ser deportados mais rapidamente. O projeto de declaração final estabelece ainda que a agência da ONU para refugiados, Acnur, deverá ter uma participação maior na crise migratória que afeta o continente europeu.

Pouco antes do início do encontro, o presidente da Comissão Europeia alertou, em entrevista ao jornal alemão Bild am Sonntag, os países dos Bálcãs para que ponham um fim à sua "política de traslado" de refugiados. "Os Estados ao longo da rota dos Bálcãs Ocidentais devem garantir procedimentos e condições ordenadas", declarou Juncker neste domingo.

Na entrevista, Juncker exigiu também uma melhor proteção das fronteiras externas da União Europeia. "Trata-se de diminuir o fluxo migratório e controlar nossas fronteiras externas. Devemos deixar claro que pessoas, que chegam às nossas fronteiras e não procuram proteção internacional, não têm direito de entrar na União Europeia", afirmou.

CA/dpa/afp/rtr

Leia mais