Cúpula da ONU faz balanço parcial das Metas do Milênio | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 20.09.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Cúpula da ONU faz balanço parcial das Metas do Milênio

O mundo ainda tem cinco anos para atingir as metas do milênio. Encontro de cúpula da ONU pretende remover obstáculos na luta contra a pobreza, doenças e mortes.

default

Sede da ONU em Nova York

A cada noite, quase um bilhão de pessoas no mundo vai para a cama com fome. Apesar disso, o balanço parcial da Meta do Milênio, de reduzir à metade a fome no mundo, não é tão ruim quanto parece.

A conferência das Nações Unidas que começa nesta segunda-feira (20/09), em Nova York, quer dar um novo impulso às Metas do Milênio. Até a próxima quarta-feira, líderes mundiais discutem como trabalhar para que as metas sejam alcançadas até 2015.

Embora a crise econômica mundial tenha freado o combate à miséria, o percentual da população mundial que passa fome diminuiu.

Segundo uma avaliação feita pelo Banco Mundial e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), muitos países cumprirão esta Meta do Milênio. Mas não em todas as regiões do planeta: o progresso acontece principalmente no sul e leste da Ásia, devido sobretudo ao crescimento de países como a China. Mesmo que algumas nações africanas demonstrem desenvolvimento positivo, a África continua sendo o continente com mais problemas.

Já antes do início da conferência da ONU, o secretário-geral Ban Ki-moon apelou em Nova York para que ninguém se deixasse desmotivar. A desfavorável situação econômica mundial não pode, segundo ele, servir de argumento aos países ricos para atrasarem os pagamentos prometidos. "Não podemos sanear nossas finanças à custa dos pobres", advertiu.

Muito pouco dinheiro para a África

O objetivo é que os países desenvolvidos destinem 0,7% de seu Produto Interno Bruto (PIB) à ajuda ao desenvolvimento. Esta cota sobe a cada ano. Este ano, ela está em 0,51%. Enquanto Bélgica, Finlândia, Irlanda e Reino Unido já atingem essa meta, a Alemanha está abaixo dela, com 0,4%.

Ban Ki Moon in Afghanistan

Ban Ki-moon

O mundo está deixando de cumprir suas obrigações especialmente no tocante à ajuda à África, disse o secretário-geral. Segundo ele, 16 bilhões dos fundos prometidos ainda não foram pagos. "É lamentável que justamente onde a necessidade é maior, falta mais dinheiro".

Os países doadores e receptores discutem se a causa do não cumprimento das metas da ONU é a falta de pagamento ou falhas políticas no uso do dinheiro.

Um exemplo disso é a mortalidade materna: de acordo com o último relatório do FMI, há uma grande diferença entre aspiração e realidade, embora esclarecer as mulheres sobre partos seguros não custe muito, a questão é que geralmente se trata de um problema cultural.

Se uma gestante precisa pedir licença ao marido para dirigir-se a um hospital, após vários dias de contrações, isso tem pouco a ver com dinheiro.

Boa governança

A chefe alemã de governo, Angela Merkel, destacou em Berlim que o impulso decisivo deve vir das próprias pessoas. Mas também os políticos têm responsabilidade.

"Tem sido dito repetidamente que um dos principais obstáculos também é a corrupção, e que uma boa administração constitui uma pré-condição para o desenvolvimento sustentável", frisou Merkel.

O economista Jomo Kwame Sundaram, do Departamento de Economia e Relações Sociais das Nações Unidas, salienta que o balanço entre ajuda prestada e progressos no desenvolvimento é distorcido.

Se forem excluídos os cinco maiores beneficiários – que são Iraque, Afeganistão, Israel, Egito e Colômbia – o equilíbrio entre ajuda e crescimento volta a ser positivo.

Pânico pode ser útil

Mesmo assim, o encontro de cúpula da ONU busca compromissos financeiros concretos, pois já agora está claro que o dinheiro não será suficiente. De 2012 a 2017, faltarão 340 bilhões de dólares a cada ano.

A França e o Reino Unido, juntamente com 60 outros países, propuseram a introdução de um imposto internacional sobre as transações monetárias. Este imposto poderia reunir até 35 bilhões de dólares por ano.

Kathy Calvin, diretora da Fundação das Nações Unidas – financiada pelo empresário norte-americano Ted Turner – vê aspectos positivos no debate sobre as promessas de ajuda financeira e nas críticas às nações receptoras. "Também um pouco de pânico pode ser útil", diz.

"É bom percebermos que devemos intensificar os esforços dos dois lados – no tocante aos compromissos financeiros e na aplicação local dos recursos – caso contrário fracassaremos".

Já David Lane, diretor da organização de ajuda humanitária One, adverte que o êxito da cúpula não depende de palavras e sim de promessas concretas de ajuda. "Se em Nova York houver pronunciamentos maravilhosos e a declaração final contiver belas palavras sobre a importância da ajuda ao desenvolvimento, mas faltarem comprometimentos concretos – então devemos ficar todos muito decepcionados", previne.

Autor: Christina Bergmann (rw)
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais