1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Cúpula da EADS é acusada de uso de informação privilegiada

Crescem as especulações sobre atos ilícitos no conglomerado aeroespacial e armamentista EADS. Relatório da organização francesa AMF revela informações comprometedoras.

default

Airbus A380: executivos sabiam das dificuldades

O organismo de controle do mercado financeiro na França (AMF) entregou à Procuradoria Geral nesta quarta-feira (03/10) um relatório provisório de suas recentes investigações. Segundo informantes da Justiça francesa, o documento cita uma venda de ações "simultânea e intensa" por parte de 21 executivos do consórcio aeronáutico EADS e de sua subsidiária Airbus, entre novembro de 2005 e março de 2006. Os dois grandes acionistas Lagardere e DaimlerChysler também foram mencionados no relatório, cuja divulgação contribuiu para uma inquietação visível nos mercados financeiros.

Informação tardia

O diário parisiense Le Figaro noticia que a AMF (Autoridade de Mercados Financeiros) acusa os altos executivos tanto da EADS quanto da DaimlerChrysler e da Lagardere de terem recorrido à informação privilegiada, para faturar milhões com a venda das ações da EADS, antes que os problemas de produção do Airbus A380 se tornassem públicos. O mercado, neste momento, não havia sido informado sobre a crise do A380.

Insiderhandel bei EADS?

Thomas Enders (esq.) e Noel Forgeard, em 2005: informação privilegiada

O uso ilícito de informação privilegiada é punido com multas e pagamento de indenização por perdas e danos. Principalmente as ações da Lagardere despencaram após a divulgação do relatório. A direção da empresa anunciou que vai tomar medidas jurídicas contra "as acusações infundadas". O presidente da EADS, Louis Gallois, afirmou que “confia na Justiça” e a Airbus se negou a comentar o assunto.

Ganho fácil

O que está por trás do escândalo é supervalorização das ações da EADS – que chegaram a atingir os 35 euros –, ocorrida no primeiro semestre de 2006, em função das expectativas em torno do Super Airbus A380. E a queda rápida das mesmas ações após a divulgação dos problemas com a produção da aeronave. Quando a questão veio à tona, no dia 14 de junho de 2006, as ações da EADS se desvalorizaram em quase 27% num único dia. Hoje, estão avaliadas abaixo de 22 euros.

Antes da queda, a Lagardere e a DaimlerChrysler venderam suas ações. O mesmo aconteceu com vários executivos do alto escalão, que lucraram absurdamente com a venda das ações "na hora certa". No início de julho, o então vice-presidente da EADS, Noel Forgeard, teve que deixar o cargo em função de problemas com o A380.

A AMF deve dar início a um processo contra os acusados, por uso ilícito de informações em proveito próprio. Já em junho de 2005, o Conselho Administrativo da EADS havia informado a respeito de problemas na produção das aeronaves A350 e A380.

Thierry Breton und Gerard Mestrallet

Thierry Breton (esq.), então ministro francês das Finanças: o Estado não vendeu nada

"A consciência a respeito das dificuldades levou os executivos e acionários da Airbus e da EADS a venderem suas ações", resumem os investigadores da organização AMF. "Se os fatos forem realmente comprovados, eles são extremamente comprometedores para os acusados", diz Jean-Pierre Jouyet, encarregado de assuntos europeus no Ministério francês do Exterior.

Ministro informado

Além da AMF, também a Procuradoria de Paris investiga o caso há quase um ano, informa o Le Figaro. Segundo o jornal, a AMF aponta que o então ministro francês das Finanças, Thierry Breton, sabia de tudo. Ao ser confrontado com a acusação, Breton afirma apenas que o Estado francês se posicionou de forma correta, não tendo vendido nenhuma ação da EADS ou da Airbus. (mas / sv)

Leia mais