Câmara conclui votação sobre reforma do ensino médio | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 14.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Câmara conclui votação sobre reforma do ensino médio

Único destaque que passa pelo plenário da Casa é a obrigatoriedade das disciplinas de educação física, arte, sociologia e filosofia. Medida provisória aprovada por deputados segue para votação no Senado.

A Câmara dos Deputados concluiu nesta terça-feira (13/12) a votação da medida provisória 746/16, sobre a reforma do ensino médio. O texto-base da proposta já havia sido aprovado na semana passada, mas ainda restava a votação dos destaques que modificavam o projeto, apresentado pelo presidente Michel Temer.

Entre os sete destaques votados, a única alteração aprovada foi a inclusão da obrigatoriedade das disciplinas de educação física, arte, sociologia e filosofia na Base Nacional Comum Curricular dessa fase do ensino.

Os outros destaques determinavam, entre outros, a inclusão das disciplinas de educação política e direitos do cidadão no currículo escolar, e a exclusão da possibilidade de contratação de profissionais com notório saber para dar aulas em disciplinas técnicas.

Mais de 500 emendas foram apresentadas ao texto da medida provisória durante a tramitação na comissão especial mista que analisou a polêmica reforma no Congresso. A proposta do governo pretende flexibilizar o currículo do ensino médio e aumentar a carga horária, incentivando o ensino integral.

A proposta aprovada na Câmara amplia de 50% para 60% a composição do currículo que deverá ser preenchido pela Base Nacional Comum Curricular. Os 40% restantes serão escolhidos pelos alunos em cinco áreas de estudo: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e formação técnica e profissional.

A reforma determina ainda que os alunos escolham a área de estudo já no início do ensino médio. A proposta estipula também uma meta intermediária de ampliação da carga horária para mil horas anuais no prazo de cinco anos, sendo aumentada até atingir 1,4 mil horas anuais. A medida provisória aprovada segue agora para ser votada no Senado.

A reforma apresentada em setembro pelo governo provocou protestos em todo o país. Estudantes chegaram a ocupar mais de mil escolas em diversos estados contra a proposta.

CN/abr/ots

Leia mais