1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Cátedra dedicada a Henry Kissinger gera polêmica na Alemanha

Grupo de acadêmicos critica a criação da cátedra, acusando o ex-secretário de Estado dos EUA de participação em crimes de guerra e contra a humanidade.

Em maio de 2013, por ocasião do 90º aniversário do ex-secretário de Estado dos EUA Henry Kissinger, o governo alemão decidiu dedicar a ele uma cátedra de Direito e relações internacionais na Universidade Friedrich Wilhelm, de Bonn.

Kissinger é um político que prestou excelentes serviços às políticas de paz e distensão, à segurança e ao desarmamento mundial, justificou o governo. A inauguração da cátedra está prevista para o fim de 2014.

A cátedra será bancada, ao longo de cinco anos, com 250 mil euros do Ministério alemão da Defesa e outros 50 mil euros do Ministério do Exterior. Esta é a primeira vez que uma cátedra é financiada quase que integralmente pelo Ministério da Defesa. O órgão apoia apenas projetos de pesquisa e também as universidades militares de Munique e Hamburgo.

A proposta não foi bem recebida por todos os alunos. "Ensino e pesquisa devem ser independentes", critica o estudante Lukas Mengelkamp, um dos autores de uma petição online que recolheu cerca de mil assinaturas contra a iniciativa. Mengelkamp e outros alunos temem a influência do Ministério da Defesa na planejada cátedra Kissinger.

O porta-voz da Universidade de Bonn, Andreas Archut, rebateu as críticas, afirmando que a única coisa que um patrocinador pode determinar é o nome da cátedra. "O Ministério da Defesa é apenas o doador e não tem influência sobre o conteúdo ministrado nem sobre quem ocupará a cátedra", afirmou.

"Criminoso de guerra"

Deutsch-französischer Publizist Alfred Grosser

Para sociólogo Grosser, Kissinger é criminoso de guerra

Críticos lembram também que a atuação de Kissinger como conselheiro de segurança e política externa e depois secretário de Estado dos EUA é controversa. O cientista político Alfred Grosser disse achar estranho que a cátedra receba o nome de Kissinger. "Mais estranho ainda é que seja financiada pelo Ministério da Defesa." Grosser não poupa adjetivos: "Considero Kissinger um criminoso de guerra".

Grosser é um dos signatários da carta aberta contra a homenagem ao ex-secretário de Estado, assinada por mais de cem acadêmicos, incluindo cientistas políticos famosos, como Wolfgang Merkel, Elmar Altvater, Oskar Negt e Rolf Wernstedt, ex-secretário da Cultura da Baixa Saxônia.

Através da iniciativa dos acadêmicos, a polêmica ganhou proporções nacionais. Eles acusam Kissinger de ser responsável por crimes de guerra e contra a humanidade e por ter tolerado ou até mesmo facilitado graves violações dos direitos humanos. Na visão deles, uma cátedra Kissinger é inaceitável.

O ex-secretário de Estado dos EUA foi laureado com o Prêmio Nobel da Paz em 1973, ao lado do representante do Vietnã do Norte, Le Duc Tho, por um acordo de cessar-fogo no Vietnã.

"Acho que ele não merecia. Após a liberação de documentos da CIA e do Departamento de Estado, ficou claro que aconteceram fatos terríveis durante a gestão de Kissinger", diz Grosser. Os signatários da carta aberta criticam, entre outras coisas, os bombardeios no Camboja e no Laos durante a guerra do Vietnã.

Violações dos direitos humanos

USA Richard Nixon Henry Kissinger 1973

Richard Nixon e Kissinger em 1973, ano em que o diplomata ganhou o Nobel da Paz

Muito já foi publicado sobre as controversas políticas de Kissinger. O cientista político alemão Bernd Greiner culpa o ex-secretário de Estado pelo prolongamento do conflito no Vietnã em Krieg ohne Fronten: Die USA in Vietnam (Guerra sem frentes de batalha: os EUA no Vietnã, em tradução livre).

A mesma crítica é feita por William Shawcross em sua obra Sideshow: Kissinger, Nixon and the Destruction of Cambodja (Kissinger, Nixon e a destruição do Camboja, em tradução livre).

Em seu livro The Trial of Harry Kissinger (O julgamento de Kissinger), Christopher Hitchens acusa o ex-secretário de Estado de uma série de infâmias no Vietnã, Laos, Timor Leste, Paquistão e Chile. O jornalista diz que ele deveria ter respondido nos tribunais pelo apoio a violações de direitos humanos durante a ditadura de Augusto Pinochet no Chile.

"Dedicar a ele uma cátedra significa ignorar conhecimentos científicos, e isso é algo que atinge também os cientistas", resume o professor emérito de sociologia Klaus Meschkat, idealizador da carta aberta contra a homenagem à Kissinger.

Meschkat lecionava no Chile em 1973, quando o governo socialista do presidente Salvador Allende foi deposto por um golpe militar encabeçado pelo general Pinochet, com a ajuda dos EUA. O professor chegou a ser preso, mas, ao contrário de muitos outros, teve a sorte de poder deixar o país por ser cidadão alemão.

Kissinger e o golpe militar no Chile

"Sinto-me pessoalmente atingido quando um dos principais envolvidos na intervenção americana na democracia chilena é premiado com uma cátedra na Alemanha", diz Meschkat. Ele concorda que Kissinger também tem seus méritos, mas ignorar uma política controversa, cuja crítica é cientificamente fundamentada, na hora de nomear a cátedra é algo que o professor de sociologia se diz incapaz de compreender.

O golpe no Chile teve o apoio dos EUA em razão de os americanos entenderem que a política socialista de Allende seria uma ameaça no contexto da Guerra Fria. A justificativa para a intervenção na política chilena seria a luta contra o comunismo na América do Sul. À Pinochet, que tomou o poder à força e desrespeitou direitos humanos até o fim de sua ditadura, Kissinger teria dito: "O senhor prestou um grande serviço ao Ocidente".

As opiniões a respeito de Kissinger são polarizadas. Alguns o admiram como um estrategista de grande visão histórica, outros o repudiam como político pragmático e frio. A Universidade de Bonn certamente tem conhecimento disso. Mas, apesar de todas as críticas, a cátedra será mantida e, em breve, deverá ser anunciado o nome de quem vai ocupá-la.

Leia mais