1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Bush e Schröder proclamam fim da discórdia

Presidente dos EUA voltou a Mainz quinze anos após seu pai. Ele e o premiê alemão se esforçaram para apagar cicatrizes deixadas por divergências quanto à guerra no Iraque e ao Protocolo de Kyoto em prol de futuro comum.

default

Schröder recebeu Bush no castelo de Mainz

A passagem de George W. Bush pela Alemanha nesta quarta-feira (23) mudou drasticamente a rotina dos habitantes de Mainz, capital do Estado da Renânia-Palatinado. Rodovias foram fechadas, trens cancelados e o centro da cidade, evacuado e minuciosamente controlado. Bush foi recebido pelo chanceler federal com um banquete de especialidades regionais preparado por três dos melhores cozinheiros alemães.

George Bush besucht Mainz Gerhard Schröder

Três dos melhores cozinheiros serviram especialidades da região

Ele e Gerhard Schröder fizeram de tudo para enterrar as discórdias e promover uma nova fase nas relações entre os dois países. Segundo Schröder, ambos tiveram uma "conversa extremamente amigável e efetiva" sobre "todos os temas atuais da agenda internacional".

"Alemanha é o coração da Europa"

O presidente americano salientou a enorme importância da Alemanha para a Europa e para os Estados Unidos. "Não podemos ter uma boa relação com a Europa, se não tivermos uma boa amizade com a Alemanha", ressaltou Bush. "Porque esse país sensacional é o coração da Europa".

Discórdias quanto à ocupação do Iraque pertencem automaticamente ao passado. Afinal, os dois países possuem um interesse comum na estabilidade do Iraque. Pela primeira vez, Bush concordou em enterrar suas críticas à postura alemã de só treinar militares fora dos limites geográficos do Iraque e até elogiou "o papel fundamental" da Alemanha na reconstrução do país e sua colaboração na luta contra o terrorismo.

George Bush in Mainz

Bush fala à imprensa

"Eu compreendo os limites da contribuição alemã", admitiu Bush. Schröder, em contrapartida, concordou em expandir seu auxílio à criação de ministérios e instituições civis.

Até mesmo a proposta de reforma da ONU, apresentada recentemente por Schröder e recebida com resguardo pela crítica internacional, encontrou o respaldo do presidente americano. "Eu interpretei a iniciativa do chanceler como um esforço para assegurar a importância da Otan enquanto órgão de diálogos estratégicos relevantes", disse Bush.

"O Irã não é o Iraque"

Diferentemente da experiência iraquiana, no caso do Irã não há discórdia alguma quanto à necessidade de convencer o país a renunciar à bomba atômica. Bush elogiou a cooperação diplomática da Alemanha, Inglaterra e França, na qual os Estados Unidos estariam interessados em ingressar. O importante é "falarmos com uma única voz", afinal "o Irã não é o Iraque".

Bush Besuch Sicherheitsmaßnahmen in Mainz, Polizist und Anwohner

Medidas de segurança atrapalharam a vida dos habitantes de Mainz

Schröder e Bush também chegaram a um acordo quanto à questão do clima. Os parceiros querem ampliar a cooperação técnica e científica nesse sentido, não obstante as divergências quanto à efetividade do Protocolo de Kyoto, que entrou em vigor no começo do ano sem ser ratificado pelos Estados Unidos. "É um progresso que não se deve subestimar", disse Schröder.

Outra preocupação é a questão do fornecimento de energia. Um primeiro esboço do projeto de cooperação prevê "medidas comuns destinadas a aumentar a eficiência do fornecimento de energia e combater a contaminação do ar e a emissão de gases poluentes em nossos países e no mundo".

De Bush a Bush

Demonstration gegen George Bush in Mainz

Sete mil pessoas foram às ruas em protesto, segundo a polícia

Para George W. Bush, a visita a Mainz é coisa de família. Em 1989, foi seu pai quem prestou uma visita oficial à cidade, poucos meses antes da queda do Muro de Berlim, durante a qual pregou a idéia de uma Europa unida e livre. Hoje, 15 anos depois, Bush gostaria que sua visita fosse interpretada como a conclusão desse ideal.

Mas a população foi às ruas para demonstrar justamente o contrário. Segundo a polícia local, sete mil pessoas participaram das manifestações contra a visita do presidente, organizadas por iniciativas de paz, grupos ecológicos e críticos da globalização. Eles se acumularam lá onde as cercas de proteção impediam o acesso ao centro da cidade. Será que George W. Bush ao menos notou o barulho?

Leia mais