1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Bush diminui tensão com Alemanha

Depois de semanas de desavenças por causa do Iraque, o presidente Bush, voltou a fazer contato com dirigentes alemães. Ele enviou uma carta ao seu colega Johannes Rau, por ocasião do 12º aniversário da unidade alemã.

default

Bush parabenizou Johannes Rau (direita) pela unidade alemã

"A América festeja com a Alemanha esta data importante", escreveu o presidente americano em sua carta ao colega alemão, na qual destaca "as longas e boas relações entre os Estados Unidos e a Alemanha". Bush não fez uma única menção às desavenças entre Berlim e Washington geradas pela rejeição total do chanceler federal alemão, Gerhard Schröder, a uma intervenção militar no Iraque, acusado de possuir armas químicas e biológicas de destruição em massa.

As relações teuto-americanos não seriam só no âmbito político, segundo Bush diz em sua carta: "Nas últimas cinco décadas, milhões de americanos visitaram ou viveram na Alemanha como soldados, estudantes ou homens de negócios. Sua amizade com os alemães e suas lembranças formam uma base firme para resistir novos desafios".

Para alegria dos dirigentes alemães, que rejeitam a linha dura de Washington contra o Iraque mas desejam manter as boas relações teuto-americanas, o presidente Bush destacou os valores e metas comuns dos dois povos: para alemães e americanos o fim do comunismo e da queda do Muro de Berlim "foi um grande êxito". Sua carta chegou em Berlim na quarta-feira a noite. Neste momento, o chefe de governo Schröder, confirmava, em Paris, a sua posição contra uma intervenção militar no Iraque, num encontro com o presidente da França, Jacques Chirac.

Sinal de reconciliação

A carta de Bush tão esperada em Berlim foi avaliada pelo lado alemão como um sinal de reconciliação. Mensagens de congratulações de chefes de Estado e de governo pelo Dia da Unidade Alemã é uma tradição, mas o tom surpreendentemente amigável e moderado de Bush gerou um bem-estar muito especial, pois ele vinha guardando silêncio total. O presidente americano nem sequer parabenizou Schröder pela vitória na eleição parlamentar de 22 de setembro.

Amuado, o secretário da Defesa americana, Donald Rumsfeld, evitou um encontro com o seu colega alemão, Peter Struck, na última conferência da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte). Na ocasião, Rumsfeld disse que "a atmosfera entre EUA e Alemanha está envenenada".

Para o coordenador das relações teuto-americanas no Ministério das Relações Exteriores em Berlim, Karsten Voigt, a carta de Bush mostra que os americanos continuam considerando a Alemanha como um aliado. Por isso, as divergências não deveriam ser superestimadas.

Clinton é convidado de honra

Em seu discurso no principal ato de comemoração dos 12 anos da reunificação da Alemanha, em Berlim, o presidente alemão, Johannes Rau, destacou a importância especial dos Estados Unidos para a recente história alemã. Na presença do antecessor de Bush, Bill Clinton, como convidado de honra, será reinaugurado o Portal de Brandemburgo, na noite desta quinta-feira (3), depois de uma restauração que durou dois anos.

O democrata Clinton levará a seguinte mensagem do ministro alemão da Defesa: os americanos sabem que podem confiar na Alemanha. Mas valores e interesses comuns não levam, automaticamente, a respostas idênticas para questões políticas.