1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Bundesliga testa juiz suplementar em campo

Uma série de expulsões polêmicas em apenas duas semanas e o debate sobre o papel do árbitro em campo levou à decisão de introduzir um juiz suplementar nos jogos do Campeonato Alemão, a partir de 25 de janeiro de 2003.

default

Decisões dos juízes geralmente levam a reclamações

O festival de cartões promovido pelos árbitros nas últimas rodadas da Bundesliga, causando a expulsão de onze jogadores em duas semanas, provocou uma grande polêmica dentro e fora de campo. "Sentimos a falta de respeito mútuo entre os árbitros e os jogadores", reclamou o presidente da Federação Alemã de Futebol (DFB), Gerhard Mayer-Vorfelder.

Na busca de uma solução, os dirigentes de clubes, representantes da Federação e dos árbitros decidiram destacar mais um juiz para as partidas. A experiência – inédita na Alemanha – será iniciada a partir de 25 de janeiro de 2003, durando em princípio apenas na rodada de volta do atual Campeonato Alemão. Mayer-Vorfelder não descarta a possibilidade de dar continuidade à iniciativa, se as avaliações forem positivas. "O que não pode ser é que quase toda decisão do árbitro cause tanta discussão e reclamação", afirma o presidente da Federação.

Quarto homem com funções limitadas

A tarefa do juiz suplementar, que já existe há algum tempo em outros países, será limitada. Ele será responsável pelos aspectos da organização, como o de anotar as substituições e outras ocorrências em campo. Também deverá acalmar os ânimos no banco e fora do campo, já que a DFB quer evitar que o comportamento dos que estão na reserva provoque desrespeito e violência no gramado.

A área de atuação do juiz suplementar ficará restrita, no pois, à parte de fora do gramado. A última palavra sempre será do juiz principal, também em casos de confusão e de reclamação. Quem acompanha de perto o futebol, entretanto, questiona se o problema realmente será solucionado, argumentando que o mais grave é a falta de respeito dos jogadores. Porém, se o projeto der certo, o êxito calará os críticos.

Falta resolver apenas a questão do financiamento. Até agora, sabe-se que os custos devem chegar aos 500 mil euros, a serem divididos eventualmente entre os clubes da Primeira Divisão.