Brexit vai frear economia alemã, afirma instituto | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 29.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Brexit vai frear economia alemã, afirma instituto

Produto Interno Bruto deverá crescer 1,3%, e não 1,8%, em 2017, afirma IMK. Diferença equivale a 15 bilhões de euros. Bancos também preveem desaceleração, mas não tão forte como na crise financeira de 2008.

A decisão dos britânicos de deixar a União Europeia (UE) custará bilhões de euros à economia alemã, segundo um prognóstico do Instituto de Macroeconomia e Pesquisa Conjuntural (IMK, em alemão) divulgado nesta quarta-feira (29/06).

Em 2017, o Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha deverá crescer 1,3% e não 1,8%, como previa o instituto anteriormente. A diferença de 0,5 ponto percentual equivale a cerca de 15 bilhões de euros. Para este ano, a previsão de crescimento é de 1,6%.

"As consequências de curto prazo do Brexit para a Alemanha não são catastróficas, mas, ainda assim, dolorosas", afirmou o diretor do IMK, Gustav Horn. Segundo ele, a insegurança com a decisão britânica afeta a economia alemã num ponto especialmente sensível: os investimentos, que estavam se recuperando lentamente após longa estagnação. "Agora isso já era", afirmou.

O instituto de economia DIW também calculou que o PIB alemão vai recuar 0,5 ponto percentual em 2017.

Muitos bancos também estão revisando para baixo suas expectativas de crescimento para 2017 por causa do Brexit. O BayernLB reduziu sua projeção de 1,6% para 1,1%, o Berenberg Bank , de 1,7% para 1,5%, e o DekaBank, de 1,4% para 1,1%.

Os bancos afirmaram, porém, que o impacto do Brexit não será tão profundo como o da crise financeira de 2008.

O IMK prevê que o mercado de trabalho também sentirá os efeitos do Brexit. Apesar da imigração, o número de desempregados deverá cair em 2016, mas voltará a subir em 2017, ultrapassando a marca de 3 milhões de pessoas.

O IMK é um instituto de pesquisas da Fundação Hans Böckler, que, por sua vez, é ligada à Federação Alemã de Sindicatos (DGB).

AS/rtr/dpa

Leia mais