Brasileiros votam em clima de plebiscito | Eleições 2014 | DW | 25.10.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições 2014

Brasileiros votam em clima de plebiscito

Mais de 142 milhões de eleitores escolhem o novo presidente da República após uma campanha eleitoral marcada por denúncias, pela polarização e pelo ódio mútuo.

Os brasileiros vão às urnas neste domingo (26/10) definir o novo presidente da República, no segundo turno de disputa mais acirrada desde aquele que, em 1989, opôs os candidatos Fernando Collor e Luiz Inácio Lula da Silva.

Desta vez concorrem a presidente Dilma Rousseff (PT) e o ex-governador de Minas Gerais Aécio Neves (PSDB). As últimas pesquisas, divulgadas neste sábado pelo Ibope e pelo Datafolha, indicam vantagem de Dilma. No Datafolha, ela tem 52% dos votos, contra 48% de Aécio, resultado que significa empate técnico. No Ibope, a diferença é de seis pontos, 53% a 47%, e está fora da margem de erro.

Mais do que uma disputa pela Presidência da República, a eleição de 2014 se converteu num plebiscito extra-oficial sobre os 12 anos de governo do PT. Nas ruas e também na mídia, principalmente nas redes sociais, fica clara a extrema polarização entre petistas e antipetistas, num confronto marcado pela troca de acusações e pelo ódio mútuo. Ambos os lados usaram a palavra ódio para se referir ao comportamento do adversário.

Enquanto os petistas promovem a versão do embate entre ricos e pobres e jogam todas suas fichas nos programas sociais dos governos Lula e Dilma, os antipetistas insistem na tecla da corrupção, principalmente nos escândalos da Petrobras e do mensalão.

Em meio à troca de acusações, temas fundamentais para o país ficaram em segundo plano, como, por exemplo, a recuperação econômica. "Temos uma das mais polarizadas e disputadas eleições desde a redemocratização. Isso se dá muito em função do insucesso do PT, sob o governo Dilma, em manter um ritmo satisfatório de crescimento econômico", avalia o cientista político Leonardo Paz, do Ibmec/RJ.

Paz afirma que, nas duas eleições anteriores, quando Lula era o candidato, as críticas feitas ao modelo petista eram enfraquecidas pelo bom desempenho econômico brasileiro. "Como o governo Dilma não consegue replicar esse sucesso, isso faz com que as críticas apareçam com força", afirma.

Voto a voto

A disputa entre Dilma e Aécio deverá ser voto a voto, mesmo que as pesquisas mostrem que os dois candidatos deixaram de estar tecnicamente empatados na semana anterior à eleição. A vantagem de quatro a seis pontos percentuais de Dilma, segundo Datafolha e Ibope, significa que a eleição ainda está indefinida.

"A lógica aponta para a reeleição de Dilma por uma pequena margem, mas isso está longe de ser garantido", afirma Paz. O primeiro turno deixou claro que as pesquisas também erram, ou que os eleitores podem mudar o voto na última hora, também movidos por acontecimentos recentes.

Os principais fatores de última hora que podem influenciar a decisão dos eleitores são o debate da TV Globo, realizado na noite de sexta-feira, e a denúncia feita pela revista Veja, que afirmou que tanto Lula como Dilma tinham conhecimento das irregularidades na Petrobras.

Especialistas asseguram que cerca de 15% dos eleitores escolhem seus candidatos na última hora. Outro elemento de incerteza é a taxa de abstenção, que costuma ser maior no segundo turno do que no primeiro. Há três semanas, 19,39% dos eleitores, ou seja, cerca de 27,9 milhões de pessoas deixaram de ir às urnas.

"Além das abstenções, temos ainda cerca de 11 milhões de votos nulos e brancos. Esse é um número nada desprezível e, somados, esses votos estariam em terceiro lugar se representassem um candidato", comenta o sociólogo Rodrigo Prando, do Mackenzie.

Segundo ele, deve haver uma tendência de maior abstenção nas regiões Norte e Nordeste do país, o que é prejudicial à candidata do PT. Dilma tem nessas regiões, fortamente beneficiadas pelos programas sociais do governo, o seu mais forte reduto.

Leia mais