1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Brasileiros são destaque em festival de poesia em Berlim

Autores debatem poesia atual do Brasil em festival berlinense. Poesiefestival Berlin dará origem a livro bilíngue com poemas de alemães e brasileros, a ser lançado nos dois países.

O Poesiefestival Berlin voltou a ter neste ano o Brasil com um dos destaques de sua programação. O evento, realizado anualmente na capital alemã, convidou seis autores brasileiros para as noites de leitura na seção VERSschmuggel (Contrabando de VERSOS). Nela, poetas alemães e brasileiros traduziram seus poemas mutuamente, a quatro mãos, em workshops de três dias realizados sob o acompanhamento e supervisão de tradutores.

"Uma característica que me chamou atenção este ano é a forte musicalidade da poesia brasileira", afirma a curadora da VERSschmuggel, Aurélie Maurin. "Os poetas artistas brasileiros me parecem muito ligados à oralidade, muito vinculados também ao lado performático de sua arte", complementou.

O resultado do workshop com autores alemães e brasileiros sairá em livro bilíngue, a ser lançado no próximo ano no Brasil e na Alemanha. "Queremos apresentar o volume na Feira do Livro de Frankfurt de 2013, onde o Brasil será o país tema, e também queremos aproveitar o Ano da Alemanha no Brasil para lançar a obra no país e organizar eventos literários com os autores brasileiros e alemães", ressaltou. "Queremos organizar uma turnê para lançar esse trabalho, com leituras em diversas cidades brasileiras", acrescentou o diretor do Poesiefestival Berlin, Thomas Wohlfahrt.

Timo Berger coordena debate com poetas Dirceu Villa, Érica Zingano e Ricardo Aleixo

Timo Berger coordena debate com poetas Dirceu Villa, Érica Zingano e Ricardo Aleixo

Mesa redonda

Esta não foi a primeira vez em que o Brasil é um dos focos do evento. Na edição de 2008, os compositores Arnaldo Antunes e Chico César estiveram entre as principais estrelas de um Poesiefestival que tematizou a literatura lusófona, convidando também artistas de Portugal e da África.

O poeta Ricardo Domeneck era um dos convidados na época a participar da VERSschmuggel. Neste ano, o videomaker e DJ brasileiro residente em Berlim foi curador da parte brasileira da seção, tendo sido responsável pela seleção dos autores brasileiros, além de ter promovido, junto com o poeta Ricardo Aleixo, a performance multimídia com música, vídeos e poesia que fechou a segunda noite da VERSschmuggel deste ano.

Além do próprio Aleixo, o festival deste ano convidou para vir a Berlim os autores Dirceu Villa, Jussara Salazar, Horácio Costa, Marcos Siscar e Érica Zingano. Eles protagonizaram as duas noites da VERSschmuggel, em cooperação com poetas alemães, e também participaram de um debate sobre a poesia brasileira atual.

Geografia e novas mídias

A importância dos centros urbanos Rio e São Paulo e da situação geográfica para o panorama poético brasileiro foi um dos temas do debate. "Belo Horizonte é como um jogador que passou de aspirante a veterano, sem nunca ter chegado ao futebol profissional", comparou o mineiro Ricardo Aleixo, em relação à cidade em que mora, que classificou como "muito próxima do Rio e de São Paulo e muito distante também".

Ricardo Aleixo criticou centralização no eixo Rio-São Paulo

Ricardo Aleixo criticou centralização no eixo Rio-São Paulo

Já Érica Zingano lamentou que os brasileiros estejam "mais virados para a Europa do que para o continente latino-americano", após lembrar das influências francesa e portuguesa que perpassam tanto sua poesia quanto a obra do colega Dirceu Villa.

A mídia eletrônica como meio de divulgação da poesia também esteve na pauta. Durante a mesa redonda, Zingano e Aleixo apresentaram duas obras suas em vídeo, contando um pouco da ideia por trás das peças. Oportunidade que serviu para que Dirceu Villa, de 37 anos, se confessasse um escritor apegado à escrita em papel, à leitura de versos diante de público, mas completamente arredio a novos meios de comunicação como forma de veicular seus trabalhos.

"Hoje, as pessoas andam nas ruas com celulares e fones no ouvido, como se estivessem falando sozinhas. Como nunca usei celular, acho isso uma coisa muito estranha", comentou. "Aliás, perdão, já usei celular uma vez", retificou.

Autor: Marcio Damasceno
Revisão: Augusto Valente

Leia mais