Brasileiros em Berlim protestam contra reformas de Temer | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 28.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Brasileiros em Berlim protestam contra reformas de Temer

Cerca de 60 pessoas se reúnem em frente ao Portão de Brandemburgo para prestar solidariedade ao movimento grevista que atinge diversas cidades do Brasil e pedir a saída do presidente Michel Temer.

Brasileiros protestam em frente ao Portão de Brandemburgo

Manifestantes exibiram cartazes em português e alemão em frente ao Portão de Brandemburgo

Em frente ao monumento mais famoso de Berlim, o Portão de Brandemburgo, cerca de 60 brasileiros se reuniram nesta sexta-feira (28/04) para prestar apoio às greves e manifestações que ocorrem em diversas cidades no Brasil.

"Estamos sendo solidários com a greve geral que ocorre contra as reformas trabalhista e previdenciária. Temos amigos e famílias no Brasil, por isso é importante apoiar esse movimento. Também queremos chamar a atenção da comunidade internacional para a atual situação do país", afirmou o engenheiro Roberto Rocha, um dos organizadores do protesto.

Protesto reuniu brasileiros e alemães

Protesto reuniu brasileiros e alemães

Com faixas em alemão, português e inglês, nas quais se declararam contra o governo do presidente Michel Temer e a favor da democracia, os manifestantes pediram a saída do presidente e defenderam a manutenção de direitos dos trabalhadores.

"Não há como ficar neutro na atual situação. Todos os brasileiros têm que tomar partido. Estou aqui para prestar minha solidariedade com a greve, não poderia ficar em casa e esperar que os outros se manifestassem", acrescentou o escritor Rafael Cardoso.

Além de brasileiros que moram em Berlim, o protesto reuniu ainda alemães e turistas brasileiros que estavam de passagem pela cidade. "O que está acontecendo no Brasil nos deixa muito tristes e precisamos fazer algo. Hoje é um dia muito importante para o país e por isso estamos aqui", afirmou a gestora cultural alemã Helga Dressel.

Leia mais