1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Brasileiros abrem festival "Teatro do Mundo"

Durante dez dias, quatro cidades da Renânia do Norte-Vestfália serão palco de um ambicioso festival de teatro. Na abertura, "Apocalipse 1,11", peça inspirada no massacre de Carandiru.

default

'The Empire of Things' apresenta o cotidiano soviético como um show de moda-lixo

Uma produção brasileira abre o 9º festival Theater der Welt (Teatro do Mundo), a realizar-se de 21 a 30 de junho, nas cidades de Bonn, Colônia, Düsseldorf e Duisburg. Trata-se de Apocalipse 1,11, do grupo Teatro da Vertigem, sob a direção de Antônio Araújo.

O espetáculo, que poderá ser assistido na penitenciária de Köln-Ossendorf, traça um paralelo entre o Apocalipse de São João e a miséria, violência e corrupção da São Paulo contemporânea. Ele se inspira em dois exemplos do horror quotidiano das metrópoles brasileiras: a incineração, em plena rua, de um índio por jovens de classe média (ocorrida em Brasília) e o massacre de 111 presos no presidio de Carandiru, em São Paulo.

Theater der Welt reunirá 40 estréias, num total de 160 récitas em dez dias, como anunciaram o diretor artístico do evento, Manfred Beilharz, e o responsável pela programação, Matthias Lilienthal. Também estão sendo esperados com ansiedade o grupo argentino El Periférico de Objectos, apresentando Apocrifo 1: El Suicido, e o Édipo Rei lituano de Oskaro Korsunovo.

A Societas Raffaello Sanzio, de Cesena, Itália, lança em Bucchettino, uma concepção insólita, mais para arte acústica do que cênica: o público ouvirá, deitado em camas e coberto, a leitura do clássico infantil O Pequeno Polegar.

Estático, porém fortemente visual, é The Empire of Things, de Alexandr Petlura. Ele apresenta cenas do dia-a-dia da União Soviética como um show de moda, em quadros vivos e composições estilizadas. Cenários e figurinos são formados por objetos que Petlura coletou durante 25 anos nos sótãos e lixeiras da capital russa.

O suíço Hans-Peter Litscher também extrapola os limites do palco com seu Potemkinschen Dörfern (Aldeias de Potemkin), que será encenada numa barcaça sobre o rio Reno, entre Bonn e Duisburg.

Reunindo participantes vindos de Toronto, Teerã, Varsóvia ou Lyon, o festival inclui ainda uma série de instalações e debates. Programada no último momento, a satírica e provocadora intervenção Aktion 18 anuncia-se como parte da campanha eleitoral do Partido Liberal (FDP). Seu diretor é o "populista de pára-quedas" Christoph Schlingensief, auto-intitulado "o Kennedy alemão".

Links externos