1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Brasileiro não entendeu que seria executado

Rodrigo Gularte não estava ciente de que seria morto, afirmam o seu advogado e o padre que o acompanhou nos últimos momentos. Família tentou impedir execução alegando que ele sofria de esquizofrenia paranoide.

O brasileiro Rodrigo Muxfeldt Gularte, que foi executado na Indonésia nesta terça-feira (28/04), não estava consciente de seu destino até poucos instantes antes de ser morto por um pelotão de fuzilamento, segundo declarações do seu advogado e do padre que o acompanhou nos últimos momentos.

Condenado à morte por tráfico de drogas, Gularte, de 42 anos, foi executado com outros seis estrangeiros na ilha de Nusakambangan, apesar dos apelos contrários da sua família e do governo brasileiro, que argumentaram que ele sofria de esquizofrenia paranoide.

"Ele tinha uma mente delirante", disse à agência de notícias AFP o advogado Ricky Gunawan, explicando que o brasileiro não foi capaz de compreender a realidade quando recebeu o aviso de que a sua execução seria dentro de 72 horas.

"Quando lhe dissemos que a condenação à morte seria concretizada, ele perguntou: 'Que condenação à morte? Eu não vou ser condenado à morte'", relatou. "Não estou certo de que ele compreendeu 100% que seria executado", disse, acrescentando que Gularte estava irredutível na ideia de que a água da prisão estava envenenada.

O advogado conta que, quando perguntou a Gularte quais eram os seus últimos pedidos, o brasileiro respondeu com brincadeiras. "Ele só ria. Perguntou-me: 'É como na lâmpada de Aladim, em que podemos pedir três desejos?'", declarou.

O padre irlandês Charlie Burrows, que acompanhou Gularte nos seus últimos dias, disse que o brasileiro não foi capaz de entender sua situação até os últimos instantes. "Pensei que havia entendido que seria executado, mas quando começaram a lhe pôr as correntes, me disse: 'Oh, padre, vou ser executado?'", relatou Burrows, em declarações à emissora australiana ABC.

O padre disse ainda que Gularte ouvia vozes com frequência. "Todos estavam há dias sendo preparados e todos sabiam que haveria uma execução. Mas como ele ouvia essas vozes, e supunha que as vozes lhe diziam: 'Não, tudo vai correr bem.' Ele acreditava nas vozes mais do que em qualquer pessoa."

AS/lusa/efe/afp

Leia mais