1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

9 de novembro de 1989

Brasileiro coleciona obras de arte da antiga Alemanha Oriental

Ao viver em Berlim entre 1984 e 1991, diplomata Francisco Chagas Freitas adquiriu quadros de artistas do leste alemão. Ligação com pintores críticos ao regime o deixou na mira da Stasi, o serviço secreto da RDA.

default

Obras decoram apartamento do colecionador em Brasília

Rua Leipziger Strasse, 65, centro de Berlim, 1985: no apartamento do adido cultural brasileiro Francisco Chagas Freitas estão empilhados quadros de artistas da antiga Alemanha Oriental. O diplomata fornece aos pintores tintas acrílicas do lado ocidental e compra suas obras. Exatamente num apartamento típico da República Democrática Alemã (RDA), surge um mundo além do realismo socialista.

Hoje, os valiosos quadros de artistas do leste alemão estão no Brasil. Eles pertencem à coleção de obras do diplomata brasileiro Chagas Freitas, que trabalhou no setor cultural da Embaixada do Brasil na Alemanha Oriental entre 1984 e 1991. A coleção possui mais de mil obras e é uma das maiores do mundo de arte da antiga RDA.

O envolvimento com cultura e política definiu a visão do brasileiro nos últimos dias da RDA. Pouco tempo antes da reunificação alemã, não somente seus amigos artistas de Dresden e Leipzig, mas também ele tornou-se alvo da Stasi, o serviço secreto da Alemanha Oriental.

"A Stasi me ameaçava pelo telefone e entrava à noite no meu apartamento, quando eu não estava em casa. Eles colocavam os quadros todos de ponta-cabeça, só para mostrar que tinham estado ali", conta Chagas Freitas.

Chagas Freitas se sentia magicamente atraído pela criatividade dos artistas contrários ao sistema. Uma pintura a óleo de Max Uhlig do ano de1979, que mostrava uma paisagem no estado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, foi sua primeira aquisição. Ela foi comprada em 1984, na Galeria Rotunde do Museu Alten, no leste de Berlim.

Depois disso, ele nunca mais largou "seus" artistas. E a Stasi também não o largou. Tanto que o então embaixador do Brasil na RDA, Mario Calábria, se viu obrigado a afastar o adido cultural do país por dois meses.

Sem cerimônias, Calábria enviou Chagas Freitas a Londres para fazer um curso de inglês. Enquanto isso, a situação se agravava no continente. Do exílio em Londres, o colecionador de arte acompanhava as manifestações das segundas-feiras na RDA e a fuga em massa para o Ocidente.

Kunst - A Arte que Permanece

Primeira aquisição de Chagas Freitas foi "Landschaft" ("Paisagem"), de Max Uhlig

Medo da Stasi

"Quando voltei de Londres no fim de setembro de 1989, eles já não tinham mais tempo para se preocupar comigo. Estavam preocupados com o possível colapso da RDA. Se o Muro de Berlim não tivesse caído, talvez eu não tivesse sobrevivido", revela o colecionador.

Em 2013, depois de várias estações diplomáticas no exterior, Chagas Freitas retornou à Brasília. Os quadros de "seus" artistas tomam conta das paredes do apartamento do diplomata. Seus amigos são agora conhecidos e premiados no mundo inteiro, entre eles, Max Uhlig, Neo Rauch, Wolfgang H. Scholz e Helge Leiberg.

A coragem e a criatividade desses artistas do leste alemão, contrários ao sistema, foram lembradas em Brasília e no Rio de Janeiro, 25 anos após a queda do Muro de Berlim, na exposição "A Arte que Permanece".

Crítica a Berlim

"A exposição fez parte do ano da Alemanha no Brasil [maio de 2013 a maio de 2014], mas ela não recebeu apoio do governo alemão", afirma Chagas Freitas. Realizá-la foi possível principalmente graças ao empenho pessoal do ex-embaixador da Alemanha no Brasil Wilfried Grolig.

O guardião desse tesouro se entristece com o fato de que uma grande coleção de artistas da RDA não será exposta ao público alemão. "Seria interessante levar essa mostra para Alemanha. Mas o que posso fazer, se o governo alemão não demonstra nenhum interesse por esses artistas alemães?", questiona o diplomata.

Chagas Freitas acredita que haja motivos políticos para isso. Para ele, mesmo passados 25 anos da queda do Muro de Berlim, a luta pelo reconhecimento dos acontecimentos históricos ainda não chegou ao fim. "Há na Alemanha a preocupação de que a RDA seja legitimada como um Estado normal", diz Chagas Freitas.

Leia mais