1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Música

Brasileiras radicadas em Berlim apresentam mistura de influências na Copa da Cultura

Cantora Monica Besser e banda Rainhas do Norte brincam com o moderno e o tradicional em evento que celebra o futebol e a música brasileira na capital alemã. Artistas mesclam ritmos como MPB, rock, maracatu e ciranda.

default

Banda Rainhas do Norte, formada a partir de um grupo de percussão em Berlim

Festejar a música brasileira e o futebol no mês da Copa do Mundo é o objetivo da Copa da Cultura, realizada em Berlim durante o Mundial de futebol. Entre as atrações estão estrangeiros que pesquisam e exploram possibilidades dos ritmos do Brasil, como o Da Lata e o Fumaça Preta. Ao mesmo tempo, o festival permite observar o outro lado: como viver no exterior influencia o trabalho dos músicos brasileiros.

Para alguns, tocar na Copa da Cultura é quase como tocar em casa, já que vivem e trabalham em Berlim. A capital alemã não traz apenas influências sonoras – o clima tranquilo e de liberdade criativa que permeia a cena artística da cidade também se reflete no trabalho desses artistas.

"Saí do Brasil em 2009, quando vi que o máximo que o país poderia me oferecer naquele momento era algo muito engessado, um esquema que era mais imagem do que conteúdo. Aquilo não era para mim. Já conhecia a Europa, e aqui as pessoas levam a arte a sério. Há uma boa repercussão para o que não é pop", diz a cantora carioca Monica Besser, que vive em Berlim desde 2010 e apresenta-se no festival nesta sexta-feira (20/06).

Pesquisa musical

Monica Besser

Monica Besser vive em Berlim desde 2010, onde encontrou espaço para a música autoral

Besser começou a se apresentar quando era adolescente. Ela formava uma dupla com a cantora Dani Carlos. Por alguns anos, as duas viajaram e se apresentaram por todo o Brasil, algo que a carioca chama de "uma pesquisa musical", que se refletiu, principalmente, em seu trabalho solo.

"Quando terminei a escola, ganhei o Brasil e fiz muita pesquisa de ritmos no interior do país, trabalhando com diversos grupos", disse a cantora, que também teve uma banda de forró formada por seis mulheres, a Fina Flor. No entanto, ela queria investir em seu trabalho como cantora e compositora e, em 2005, gravou o primeiro disco solo.

Lançado de forma independente, o álbum teve uma boa recepção no Brasil e chegou a tocar em rádios e até emplacar uma música na trilha de uma novela da Globo.

Como produtora musical, Besser acabou passando uma temporada na Europa e se apresentando no continente. Após a boa receptividade de seu trabalho, ela decidiu, em 2009, mudar-se para Barcelona e, no ano seguinte, para Berlim.

Música autoral e diversificada

Haus der Kulturen der Welt

Artistas brasileiros e estrangeiros sobem ao palco na capital em alemã durante o Mundial de futebol

"Quando saí do Brasil, queria aprender, conhecer outras culturas. Mas Barcelona é muito parecida com o Rio de Janeiro. O povo é latino, emotivo, fala alto e tem a praia. Lá a música está ligada à festa. Queria outra estrutura para o meu trabalho. Aqui é outro universo, onde a música autoral é fortíssima", afirma a cantora sobre Berlim.

Ligada a movimentos ambientalistas, indígenas e sociais ao redor do mundo, a carioca ampliou sua pesquisa musical nos últimos anos, o que resultou no seu mais recente disco, Fusion Rocks, lançado no ano passado.

"Estava andando em Ibiza e encontrei essa pedra, que era a fusão de diferentes pedras, com uma grande diversidade de cores e tons. Esse é meu estilo. Misturo línguas, ritmos. Passeio por universos harmônicos e melódicos. O disco é assim, leva o ouvinte para diferentes universos", diz.

Com sua voz forte, Besser passeia pelo rock e pela MPB, pegando referências de suas viagens pelo mundo, além de cantar em português, inglês, espanhol, francês e catalão. "Quando coloco outros idiomas na minha música, minha intenção é comunicar. Quando você canta na língua local, as pessoas abrem o coração porque sentem que você quer realmente se comunicar com elas", explica.

Diferentes ritmos, mesma batida

DJ Grace Kelly

DJ Grace Kelly, integrante das Rainhas do Norte, é a DJ de música brasileira mais popular de Berlim

A diversidade da música brasileira faz parte do universo de outras brasileiras baseadas em Berlim: as Rainhas do Norte. A banda foi formada na capital alemã a partir de um grupo de percussão.

"Tocamos música brasileira popular e de raiz, principalmente o maracatu, o coco e a ciranda. Partimos daí e vamos brincando também com outros ritmos brasileiros, apesar de a nossa base ser pernambucana", diz a DJ Grace Kelly, umas das sete integrantes do grupo.

Em 2012, as Rainhas do Norte gravaram o primeiro disco. Com dez composições próprias, o álbum Cada Uma mostra a delicadeza e a criatividade do grupo ao misturar diversos ritmos brasileiros e criar um som com características próprias.

"Desde criança, eu estava envolvida em alguma roda de samba", conta a baiana, que é veterana na cena musical brasileira em Berlim. Há 14 anos, Grace Kelly é a DJ de música brasileira mais popular da capital alemã, se apresentando não apenas na cidade, mas também em outros lugares do mundo.

Uma de suas principais características é misturar ritmos brasileiros com música eletrônica e outros ritmos turcos, árabes ou ciganos, também muito populares na cena local. "As batidas são uma forma de combinar isso tudo", revela a DJ.

Para o show na Copa da Cultura, a grande novidade é que as Rainhas do Norte vão além da sua consagrada forma, com voz e percussão, adicionando uma baixista à banda, que, segundo Kelly, deve fazer parte do segundo álbum do grupo. O novo disco ainda não tem previsão de lançamento.

A Copa da Cultura acontece na Casa das Culturas do Mundo (Haus der Kulturen der Welt), em Berlim. As Rainhas do Norte e a DJ Grace Kelly encerram o evento, no dia 13 de julho.

Leia mais