1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Brasil vence "roubado", mas placar foi justo

Para jornalistas alemães, vitória brasileira sobre a Turquia foi mais do que merecida, mas só se concretizou com ajuda do juiz. Breitner vê Brasil como favorito.

default

Ronaldo (dir.) comemora seu gol de empate com os reservas

Comentarista do programa Ran, que exibe diariamente à noite na emissora privada Sat-1 compactos das partidas da Copa do Mundo, Paul Breitner acha que o Brasil não precisava do pênalti para vencer. "Os brasileiros ganharam de 2 a 1 graças a um claro erro do juiz. Mas mesmo sem um presente destes, eles teriam que ter vencido esta partida", observou o campeão mundial de 1974.

Para ele, o Brasil é um dos favoritos no mundial do Japão e Coréia do Sul, mas ainda precisa acertar o passo. "Infelizmente ainda falta entrosamento entre os jogadores, pois eles nunca atuaram antes juntos, nem mesmo nas Eliminatórias. Mas estou certo de que eles vão subir de produção a cada jogo e justificar o papel de favorito que eu atribuo a eles", acrescentou confiante.

Juiz pró-Brasil – Jornal de maior circulação na Alemanha, o Bild igualmente explora em sua versão online a polêmica do gol decisivo. "2x1, Brasil com muita sorte – Pênalti presenteado! Rivaldo acertou no meio do coração dos turcos", intitulou o diário. Sensacionalista, o periódico carregou nas tintas: "O tetracampeão tem um novo grande torcedor: o juiz Young Jo Kim." O Bild considerou ainda que o Brasil "jogou futebol sensacional" e que, fora o pênalti, "a vitória foi merecida".

O site da revista esportiva Kicker destaca igualmente o momento do gol decisivo, com o título "Rivaldo mostrou sangue frio na marca do pênalti". Segundo a principal publicação esportiva da Alemanha, "os brasileiros ficaram na corda bamba até o fim, apesar do grande número de boas chances" e "no balanço geral o magro resultado foi justo".

Impaciência com desperdício – Ao relatar a partida, a Kicker ressaltou que Ronaldo, Rivaldo e Ronaldinho "mantiveram os dedos do goleiro Rüstü sempre quentes" e que em boa parte do tempo o verdadeiro duelo foi "Rüstü versus Brasil". A grande quantidade de chutes a gol chegou, durante a transmissão do jogo, a deixar o narrador Wilfried Mohren, da emissora pública ARD, impaciente. "De quantas chances eles ainda vão precisar?", questionou, poucos segundos antes de Ronaldo balançar a rede turca e empatar o marcador em Ulsan.

A agência alemã de notícias esportivas SID destacou que esta segunda-feira foi o dia da estréia na Copa do Mundo das superestrelas mundiais: Ronaldo e Rivaldo, além de Vieri pela Itália (autor dos dois gols de sua seleção sobre o Equador). "As superestrelas (brasileiras) salvaram o recordista mundial de títulos de um vexame", afirma o boletim da SID com o resumo da vitória do Brasil sobre a Turquia.

Lúcio firme ou pálido? – "Ronaldo e Rivaldo surgiram na Ásia, em sua estréia no mundial, tal como Fênix das cinzas", escreveu o correspondente Dietmar Kramer, que mais adiante acrescentou: "Em Ulsan, não faltou muito para que os atrevidos turcos produzissem a segunda grande surpresa do mundial, após a vitória de 1 a 0 do Senegal sobre a França". Noutra matéria, a SID avaliou que "os sul-americanos deram um banho no meio de campo, mas seu latim acabava na área adversária".

De olho nos jogadores que atuam no futebol alemão, a imprensa alemã foi unânime nos elogios ao armador turco Bastürk, do Bayer Leverkusen. Mas houve divergências quanto ao desempenho do brasileiro Lúcio. Para a Kicker e a SID, o zagueiro teve atuação firme, enquanto a agência alemã de notícias DPA considerou "pálido" seu desempenho e viu "várias falhas bobas na defesa" brasileira.

Leia mais

Links externos