1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições 2014

Brasil vai às urnas em clima de expectativa

Na eleição de resultado mais imprevisível desde o retorno da democracia, atenções se voltam para a segunda vaga no turno final, disputada voto a voto entre Aécio e Marina.

default

Os candidatos Levy Fidelix, Dilma Rousseff, Marina Silva, Eduardo Jorge, Luciana Genro, Aécio Neves e Pastor Everaldo antes do início do debate final do primeiro turno, na TV Globo

Os brasileiros vão às urnas neste domingo (05/10), no primeiro turno da maior e mais imprevisível eleição presidencial desde o retorno da democracia, em 1985. São quase 143 milhões de eleitores aptos a escolher entre os 11 candidatos à Presidência da República. Segundo as pesquisas de intenção de voto, apenas três deles têm chances de passar para o segundo turno.

O primeiro lugar deste turno inicial será da presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição. O segundo lugar, até há poucos dias nas mãos da ambientalista Marina Silva (PSB), parece estar indo cada vez mais para o lado do ex-governador Aécio Neves (PSDB). A disputa entre os dois é acirrada.

Neste sábado, uma

pesquisa

divulgada pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) colocou o tucano pela primeira vez à frente da ex-senadora, com 24% contra 21,4%. Apesar de ser um empate técnico, a pesquisa deixa claro que Aécio está em tendência de alta, e Marina, de queda. Pouco depois,

Ibope e Datafolha

chegaram a números parecidos, também com Aécio à frente de Marina.

"Esta é a eleição mais imprevisível desde o retorno da democracia, em 1985", afirma o pesquisador Paulo Sotero, diretor do Brazil Institute no Woodrow Wilson International Center for Scholars, um centro de estudos em Washington, nos Estados Unidos.

Apesar de as pesquisas indicarem a vitória de Dilma no segundo turno, a diferença em relação aos dois adversários é pequena e não parece consolidada, pois tem se alterado ao longo das semanas. No levantamento da CNT, a presidente aparece com 46% das intenções, e o tucano tem 40,8%. Na segunda simulação, entre Dilma e Marina, a petista ganha com 47,6%, contra 37,9% da ex-senadora.

Analistas afirmam que a grande vantagem da presidente se deve ao amplo apoio que ela tem entre os setores mais pobres da população, beneficiários diretos dos programas sociais e da política de valorização do salário mínimo que tiraram milhões de brasileiros da pobreza nos últimos anos.

Mas também há um desejo de mudança entre muitos brasileiros. "Será uma decisão difícil", afirma a vendedora carioca Vania Oliveira, de 29 anos, que declara voto em Marina, mas diz ainda não estar bem certa da decisão. "Dilma e o PT estão há muito tempo no poder e ajudaram muitas pessoas. Mas é tentador votar na Marina porque queremos aprofundar os avanços. Precisamos melhorar saúde, educação e segurança. Ganhamos muito, mas queremos mais", declarou à agência de notícias AP.

"[O Brasil] perdeu terreno na área econômica, mas ao mesmo tempo criou essa classe média, uma classe média modesta, mas muito numerosa", avalia Sotero. "Eles viram a terra prometida e agora querem chegar lá, e vão continuar a pressionar, não importa quem esteja no governo."

A eleição também é marcada por uma extrema polarização entre petistas e antipetistas. "É quase um plebiscito sobre os 12 anos do PT no poder", comenta o analista João Augusto de Castro Neves, da consultoria Eurasia Group. "Há um desejo de mudanças nas pessoas, especialmente nas classes superiores, todos querem uma melhora econômica, mas ao mesmo tempo há um desejo de reter as conquistas das políticas sociais do PT."

Outro ponto de destaque nestas eleições é a presença feminina. São cerca de 26 mil candidatos em todos os níveis, e em torno de 8 mil são mulheres, ou 31,7%. Em 2010, elas representavam 23%.

Além do presidente da República, também serão escolhidos os governadores, senadores, deputados federais e deputados estaduais ou distritais (no caso de Brasília).

AS/ap/lusa/afp/rtr

Leia mais