1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Brasil usou pé-de-cabra contra mexicanos, diz jornal

Festejada depois da vitória de 3 a 0 sobre a Grécia, seleção brasileira recebe notas ruins de comentaristas esportivos internacionais, após derrota para o México.

default

Lúcio perdeu chance do empate na entrada da pequena área

Der Spiegel

"Brasil tropeça no México", é a manchete da versão online do semanário de maior prestígio na Alemanha. "No segundo jogo do grupo B, foram impostos limites ao pentacampeão mundial. Apesar de ter criado muitas chances de gol, o favorito foi derrotado pelos resistentes mexicanos. No segundo tempo, o Brasil dominou, mas não foi capaz de superar a zaga mexicana. Enquanto o México avançou para as semifinais, o Brasil ainda precisa tremer."

Süddeutsche Zeitung

"A seleção do México combateu com paixão o indolente campeão mundial e venceu merecidamente por 1 a 0, apesar da tragicomédia do pênalti. Com isso, o México está há 19 jogos sem derrota. A situação se complica para o Brasil, quando o meio-campo e o fenomenal ataque não funcionam, o que foi o caso ontem. No final, o Brasil tentou arrombar a defesa mexicana com um pé-de-cabra, já os truques mágicos não funcionaram. E até cavou uma chance, que Lúcio desperdiçou a oito metros da linha de gol, aos 45 do segundo tempo."

Frankfurter Allgemeine Zeitung

"Brasileiros desencantados: México na semifinal", escreve o jornal da metrópole financeira alemã. "Os 11 de Parreira não tiveram receita para atropelar a defesa mexicana, com líbero e quatro jogadores atrás. Vários tiros de longa distância passaram mais ou menos longe do gol. Não foi um dia de sorte para Adriano. E Ronaldinho só teve raros momentos de brilho."

Kölner Stadt Anzeiger

"O campeão mundial encontra seu mestre", é a manchete do Kölner Stadt Anzeige, de Colônia. "O atacante Borgetti fracassou espetacularmente na série de pênaltis, mas marcou o gol da noite. Apesar da superioridade técnica do campeão mundial, uma coisa ficou clara: depois do drama do pênalti, o México esteve bem no jogo, enquanto os brasileiros pensavam que um sucesso coroado por gols seria apenas uma questão de tempo. Em seu 100º jogo como técnico, Parreira viu a seleção tropeçar em campo."

Bild-Zeitung

"Borgetti levou a melhor contra Roque Júnior . O Bundeskanzler (chanceler federal) Gerhard Schröder e o kaiser Franz Beckenbauer viram uma sensação na Copa das Confederações em Hannover: o 1 a 0 do México sobre o Brasil. Com direito a um show de pênaltis. Um fiasco penoso! Agora Brasil corre o risco de ser eliminado."

Sport.ARD.de

O site da principal rede de TV da Alemanha diz que "o Brasil não conseguiu repetir o futebol fantástico mostrado contra a Grécia. As estrelas do Pão de Açúcar até que fizeram boas combinações, mas o México forneceu um exemplo perfeito de efetivo futebol defensivo. No todo, o Brasil dominou o jogo, mas foi ingênuo no ataque. Adriano perdeu as maiores chances. O campeão mundial quebrou os dentes na zaga mexicana extraordinariamente bem posicionada".

Marca (Espanha)

Para o jornal espanhol, o "México deu uma lição no Brasil e mostrou o caminho para derrotar o campeão mundial. Com uma grande partida, a equipe tricolor se impôs por 1 a 0 a uma seleção brasileira que se viu impotente. O time dirigido pelo argentino Ricardo Lavolpe mostrou a penúria do conjunto de estrelas brasileiras, que com todos em campo – Ronaldinho, Kaká, Robinho e Adriano – foi incapaz de dobrar um rival que sabia claramente o que tinha a fazer e até desperdiçou um pênalti".

La Jornada (México)

O maior jornal mexicano abre nesta segunda-feira com uma manchete pouco efusiva: "México surpreende e avança para a semifinal; vence o Brasil por 1 a 0". "Quando Ronaldinho, Kaká, Robinho e Adriano, os quatro fantásticos, se cansaram de fracassar em suas tentativas de pisar na área adversária, optaram por tiros de média distância e aí se depararam com a grande atuação do goleiro Oswaldo Sánchez, que mais uma vez foi elemento chave para que a equipe mexicana mantivesse sua meta intacta", comenta.

Leia mais