Brasil tem mais de 13 milhões de desempregados | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 31.03.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Brasil tem mais de 13 milhões de desempregados

Número de desocupados mais que dobra em três anos, chegando a uma taxa de 13,2%, a maior dos últimos cinco anos. Quantidade de trabalhadores com carteira assinada no setor privado cai, e rendimento se mantém estável.

Trabalhador da construção civil

Setores da construção e da agricultura registraram o menor número de trabalhadores no último trimestre

O número de desempregados no Brasil chegou a 13,5 milhões de pessoas no trimestre encerrado em fevereiro, o que representa uma taxa de desocupação de 13,2% – a maior desde o início da série histórica, em 2012. Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Contínua), divulgada nesta sexta-feira (31/03) pelo IBGE.

Em relação ao trimestre encerrado em novembro, a taxa de desemprego aumentou 1,3 ponto percentual – o que significa 11,7% ou 1,4 milhão de pessoas a mais buscando trabalho. Frente ao mesmo período do ano anterior, a taxa de desemprego cresceu 2,9 pontos percentuais, com 30,6% ou 3,2 milhões mais desocupados.

Leia mais: Informalidade, a cara da crise no Brasil

A população ocupada registrada no trimestre encerrado em fevereiro, de 89,3 milhões de pessoas, também é a menor da série histórica.

Apesar da continuidade do crescimento da taxa de desemprego, o rendimento médio real habitual do trabalhador brasileiro neste último trimestre encerrado em fevereiro manteve-se estável em 2.068 reais. A Pnad indica ainda que houve crescimento do salário apenas para os empregados no setor público, com expansão de 3,2% frente ao trimestre anterior.

Assistir ao vídeo 04:13
Ao vivo agora
04:13 min

Crônicas da Informalidade

O número de trabalhadores do setor privado com carteira assinada continua em queda. No terceiro trimestre, 33,7 milhões de pessoas tinham carteira assinada, uma redução de 1% em relação ao trimestre anterior e de 3,3% frente ao mesmo período de 2016.

O número de trabalhadores por conta própria ficou estável na comparação com o trimestre anterior, em 22,2 milhões de pessoas, mas recuou 4,8% (1,1 mil pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2016.

Segundo a Pnad, os setores da agricultura e da construção encerraram fevereiro com o menor número de trabalhadores desde 2012 – 8,8 milhões e 6,9 milhões, respectivamente. Já alojamento e alimentação registrou o maior contingente de ocupados dos últimos cinco anos, com 5 milhões de trabalhadores.

De acordo com o IBGE, a menor desocupação da série histórica foi registrada no trimestre encerrado em fevereiro de 2014, com 6,6 milhões de desempregados.

LPF/abr/ots

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados