1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Brasil sofre pior queda em ranking de competitividade

Em índice do Fórum Econômico Mundial, país cai 18 posições, o pior resultado entre 140 avaliados. Declínio é atribuído à deterioração de instituições e baixo rendimento macroeconômico brasileiro.

O Brasil é o país que mais caiu no Índice de Competitividade Global 2015, publicado nesta quarta-feira (30/09) pelo Fórum Econômico Mundial. O ranking mede fatores que determinam a produtividade e a prosperidade de um país.

O Brasil caiu 18 posições em relação ao ano passado, passando do 57º para o 75º lugar entre 140 países. Trata-se do piro resultado para o Brasil, que já chegou à 48ª posição em 2012. Os autores do ranking consideram que o país sofre com a deterioração de suas instituições e um baixo rendimento macroeconômico.

O país obteve o pior resultado entre os emergentes. Diante do aumento dos custos de produção e do envelhecimento da população, a China se manteve estável, na 28ª posição. A competitividade do país pouco avançou nos últimos seis anos.

Índia, Rússia e África do Sul avançaram significativamente (16, oito e sete posições, respectivamente), enquanto a Turquia caiu seis posições.

"Entre os maiores mercados emergentes, a tendência é, para a maior parte, de estagnação ou declínio", disse o Füorum EconÄomico Mundial, que hospeda o encontro anual de líderes econômicos e políticos em Davos, na Suíça.

Outra queda considerável na América Latina foi sofrida pela Bolívia, que passou da 105ª para a 117ª posição. Já o México e a Colômbia ostentam o 57º e o 61º lugares, tendo subido quatro e cinco posições, respectivamente.

"O fim do superciclo das matérias-primas afetou consideravelmente a América Latina e o Caribe, que já nota repercussões no crescimento da região", diz o texto do Fórum Econômico Mundial. Além disso, a região latinoamericana tem baixos níveis de intercâmbios comerciais e de investimento, diz o órgão.

Segundo o fórum, os países emergentes estão em condições frágeis para resistir a choques econômicos futuros, porque não conseguiram melhorar sua competitividade desde a crise de 2008. Para se preparar, a América Latina deveria investir nas áreas de infraestrutura e inovação.

O ranking anual também leva em conta fatores como instituições públicas, tecnologia e eficiência do mercado de trabalho.

Na Europa, a Espanha subiu da 35ª para a 33ª posição, sendo um dos países que "contribuiu para estreitar a margem entre o norte e o sul do continente". "Espanha, França, Irlanda, Itália e Portugal melhoraram consideravelmente em áreas como eficiência do mercado laboral", diz o texto.

Pelo sétimo ano consecutivo, a Europa lidera o ranking, seguida novamente por Cingapura e pelos EUA. A Alemanha subiu uma posição, para o 4º lugar, sendo a economia mais competitiva da zona do euro.

LPF/efe/dpa

Leia mais