Brasil produz cerveja tipicamente alemã | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 07.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Brasil produz cerveja tipicamente alemã

Acordo entre cervejarias dos dois países permite que o Brasil produza mais uma cerveja com o que a Alemanha tem de melhor: os ingredientes e a receita tradicional. Iniciativa deve agradar aos consumidores mais exigentes.

default

Cervejaria Petrópolis, que produzirá a bebida no Brasil

Será lançada na segunda quinzena de maio uma cerveja feita no Brasil com as principais características de uma cerveja alemã. Além de ingredientes importados, ela terá a receita original, seguindo o tradicional preceito de pureza alemão (Reinheitsgebot). Esse decreto, que vigora desde o século 16 na Baviera, e se tornou lei nacional na Alemanha no início do século passado, só permite o uso de lúpulo, malte e água na fabricação da bebida. A nova cerveja é fruto de uma parceria entre as cervejarias Weltenburger, da Alemanha, e Petrópolis, do Brasil.

Alemanha, sinônimo de qualidade

A cervejaria brasileira não procurou uma parceira alemã por acaso. "Para nós, brasileiros, a Alemanha é obviamente um país com muita tradição, tem um know-how na produção de cerveja. Por isto, o país é uma referência de qualidade neste segmento", explicou Douglas Costa, gerente de marketing do Grupo Petrópolis, à Deutsche Welle.

A ideia é investir num segmento que os fabricantes chamam de "super premium". São cervejas finas, com um preço mais elevado, e que agradam ao paladar. Uma pesquisa de mercado encomendada pelos fabricantes mostra que, nos últimos três anos, esse setor cresceu 20% no Brasil, enquanto o crescimento da indústria de cervejas ficou em 4%.

Atualmente, o público que aprecia esse tipo de cerveja já encontra o que procura nos produtos alemães. Marcas como Erdinger, Franziskaner, Paulaner, Warsteiner e Weihenstephan podem ser encontradas não só em restaurantes típicos e lojas especializadas, mas também em bares e supermercados.

Por tudo isto, Costa explica que a estratégia de marketing do lançamento da nova cerveja será explorar a tradição que as cervejas alemãs agregam. A Weltenburger foi fundada no ano 1050 num mosteiro na Baviera, e a história de quase mil anos que a marca carrega será enfatizada nas campanhas publicitárias para o Brasil.

Produzir no Brasil é melhor que importar?

A cerveja que chegará aos copos brasileiros não terá apenas marca e história, mas também o sabor típico das cervejas alemãs. Leonhard Resch, cervejeiro-mestre da Weltenburger, é quem garante. Segundo ele, o segredo está na receita e nos ingredientes, que serão os mesmos. Além disso, alguns dos cervejeiros-mestres da Petrópolis também estudaram na Alemanha, onde é exigido um curso específico de ensino superior para exercer esta profissão.

Para Resch, a cerveja produzida no Brasil chega ao consumidor com melhor qualidade do que se fosse importada. "A distância é muito grande entre a Alemanha e o Brasil. Se a cerveja fica muito tempo no transporte entre os dois países, não chega tão fresca ao destino", explicou o cervejeiro-mestre.

Nem mesmo alguns hábitos de consumo que são diferentes nos dos países fazem grande diferença. No Brasil, aprecia-se a cerveja "estupidamente gelada", enquanto na Alemanha ela é bebida apenas fria. As comidas típicas de cada lugar também são uma diferença óbvia, mas que não é determinante. "Tudo isso é uma questão de gosto, não existe melhor ou pior", assegurou Resch.

Autor: Tadeu Meniconi
Revisão: Augusto Valente

Leia mais