1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Brasil procura nichos no mercado mundial de TI

Automação bancária brasileira mostra competitividade internacional na CeBIT, mas ainda enfrenta barreiras não-tarifárias na União Européia. Pequenas empresas buscam mercados alternativos.

default

Caixa automático (ATM) da Perto exposto na feira em Hannover

As empresas brasileiras que têm maiores chances de exportar tecnologias da informação e telecomunicação são aquelas que têm um leque de produtos focados num nicho específico de mercado. É que afirmou o consultor para desenvolvimento de mercados Claus Traeger, da Consim, de Colônia, no seminário "How to do IT Business in the European Market", realizado durante a CeBIT 2005 em Hannover.

Tintenpatronen-Recycler

Aparelho para testar e reciclar cartuchos de tinta de impressora, da New Ink (PB)

Há alguns exemplos entre os expositores brasileiros na feira de que este pode ser um caminho de sucesso. Um deles é a New Ink Informática, da Paraíba, que mostra em Hannover um aparelho para testar e reciclar cartuchos de tinta de impressora. O equipamento é menor e mais prático do que outros do gênero existentes no mercado internacional.

Após a participação na CeBIT 2004, a empresa aumentou sua carteira de clientes estrangeiros, vendendo hoje para 23 países - cinco a mais que no ano passado - incluindo México, Argentina, Venezuela, Chile, China, Alemanha e Índia. Na CeBIT 2005, a New Ink acaba de fazer um contato promissor para vender o produto na Holanda. "Esperamos aumentar em 100% o volume de negócios neste ano", disse o diretor-executivo da empresa, Edjon Santos de Melo.

Restrição dos EUA, vantagem para o Brasil

Aker Fiverwall Box

Aker Fiverwall Box, da Aker Security Solutions, de Brasília

Já a Aker Security Solutions, de Brasília, aproveita um nicho de mercado originado do fato de que empresas norte-americanas só podem exportar software com chaves de criptografia de, no máximo, 128 bits. Os programas que passarem desse valor estão sujeitos à legislação sobre exportação de armamentos dos EUA. Como no Brasil não existe esta restrição, a Aker conquistou distribuidores para seu Firewall Box com chave de criptografia de 256 bits em vários países latino-americanos, na Austrália, Rússia e Polônia. O produto serve para proteger redes de computadores de médio e grande porte, com até 500 licenças para usuários.

PBX-IP

PABX-IP, Digistar Telecomunicações (RS)

A Digistar Telecomunicações, de Porto Alegre, por sua vez, aposta na convergência entre informática, telefonia e voz, um dos campos de destaque na CeBIT. Líder brasileira na venda de equipamentos de telefonia digital, a empresa mostra em Hannover um produto da próxima geração do VoIP (Voice over Internet Protocol): o PABX-IP. Com um leque de mais de 40 produtos de telefonia fixa e IP, compatíveis com várias plataformas corporativas, como o CRM da Microsoft, a Digistar já tem clientes na América Latina e no Oriente Médio e agora busca parceiros na Europa.

Automação bancária

Itautec - Brasilien CeBIT 2005

Estande da Itautec na CeBIT 2005

Uma outra área em que o Brasil vem conquistando espaço internacional é automação bancária, representada na CeBIT 2005 pela Itautec e a Perto. A Itautec já tem subsidiárias na Argentina, Equador, México, Estados Unidos, Portugal e Espanha. No ano passado, a empresa faturou R$ 88,1 milhões com negócios internacionais, 26,5% a mais que em 2003. "O mercado externo corresponde a menosde 5% do nosso volume de negócios. A nossa meta para este ano é dobrar essa receita", afirma Simon Ruben Schvartzman, diretor de Operações Exteriores da Itautec.

A Perto, de São Paulo, que expõe pela sétima vez em Hannover, tendo como destaques um mini-ATM (caixa automático) e um ATM multifuncional (para saque, depósito, pagamento de contas e impressão), já exporta produtos para a Espanha, Alemanha, Grécia e América Latina. Na CeBIT 2005, tem feito muitos contatos com potenciais clientes do Leste Europeu, Oriente Médio, África e Ásia. "A União Européia ainda impõe muitas barreiras não tarifárias. A Europa diz que é aberta, mas na prática ainda é muito fechada", diz o presidente da empresa, J. Thomas Elbling.

Seminário dá dicas para exportar

A estratégia da Perto é trabalhar com representantes que agreguem valor aos seus equipamentos e softwares e prestem todo o serviço de atendimento ao mercado local. "Não há uma receita pronta para entrar num mercado estrangeiro. Cada empresa precisa buscar o caminho apropriado para seu produto", diz Elbling. Essa foi também uma das dicas dadas aos empresários brasileiros no seminário "How to do IT Business in the European Market", em Hannover.

O presidente da Softsul, José Antônio Antonioni, ainda cita outros aspectos importantes a serem observados, entre eles a consistência da decisão de investir em exportação, a qualidade do produto, o entendimento da cultura e dos nichos do mercado alvo, uma política transparente de preços, a participação em feiras e o conhecimento da lei de patentes e outras normas do país de destino dos produtos. "Quem não conhece esses detalhes já entra em desvantagem no mercado", acrescenta o diretor-executivo da New Ink, Edjon Santos de Melo.

Segundo o consultor Claus Traeger, o mercado europeu de tecnologia é composto, em sua maioria, por pequenas e médias empresas, assim como na América Latina. “Só na Alemanha existem 50 mil companhias de informática e telecomunicações, sendo que 90% delas têm pequeno ou médio porte”, afirmou. Ele disse que os baixos custos de produção são uma vantagem dos latino-americanos para entrar no mercado europeu, "mas isso não é tudo. Os europeus prezam, em primeiro lugar, a confiança e as referências comerciais, na hora de fazer uma parceria".

Leia mais