″Brasil poderá decidir este ano seu futuro na primeira metade do século″, comenta sociólogo Emir Sader | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 08.07.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

"Brasil poderá decidir este ano seu futuro na primeira metade do século", comenta sociólogo Emir Sader

Teórico de orientação marxista, o sociólogo Emir Sader não esconde sua predileção pela candidata Dilma Rousseff. Em entrevista à DW em Berlim, onde participou de debate, ele analisa a campanha eleitoral e o governo Lula.

default

Emir Sader em Berlim

Como diretor do Laboratório de Políticas Públicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e secretário-executivo da ONG Clacso (Conselho Latino-americano de Ciências Sociais), sediado em Buenos Aires, o sociólogo Emir Sader esteve em Berlim a convite da Fundação Friedrich Ebert, participando de uma mesa-redonda sobre as eleições presidenciais no Brasil. Em entrevista à Deutsche Welle, Sader fez uma análise da campanha eleitoral e do governo Lula.

Deutsche Welle: Quais as mudanças mais marcantes do governo Lula em relação ao seu antecessor?

Emir Sader: Uma das duas mais importantes mudanças em relação ao governo anterior é o lugar do Brasil no mundo. Em vez de ser um aliado subordinado aos EUA, o Brasil é um aliado dos países do sul e da América Latina em particular. Em segundo lugar, está a mudança social do Brasil. Pela primeira vez na história do país, diminuiu a desigualdade, como consequência das políticas sociais do governo, que são prioritárias. O modelo econômico é estreitamente ligado à distribuição de renda.

Quais são, na sua opinião, os defeitos e as qualidades do governo Lula?

As boas coisas são justamente as mudanças em relação ao governo Cardoso, enquanto as coisas que manteve são ruins, tais como a hegemonia do capital financeiro, a autonomia de fato do Banco Central, taxas de juros muito altas. Também o modelo de agronegócios ligado à soja, exportação, transgênicos, falta de democracia nos meios de comunicação. Monopólio da terra, monopólio do dinheiro, monopólio da palavra – são esses os três temas que são ainda pendentes.

Não se pode dizer que é um "luxo" ter três candidatos identificados com a esquerda disputando a eleição?

O fato de o Brasil ter um consenso a favor da prioridade das políticas sociais, por exemplo, torna difícil o retorno de um governo que volte a ser economicista, neoliberal, mercantil, a favor do mercado, com Estado mínimo. Isto também é uma consequência indireta do sucesso do governo Lula.

Quais são, na sua opinião, os temas mais importantes a serem abordados na campanha eleitoral, que começou oficialmente nesta semana, e que os problemas o Brasil ainda tem que vencer?

O tema da importância do papel do Estado. A direita acha que o Estado foi importante durante a crise. Passada a crise, ela acha que deve haver mais mercado e menos Estado. Também o tema do fortalecimento ou não das políticas de desenvolvimento, o peso das políticas sociais. E também temas que são difíceis de resolver, como o narcotráfico, segurança pública, que são temas para os quais não foram encontradas alternativas de superação, além de outros, como a violência e o consumo de drogas entre a juventude.

Em que ponto Dilma será igual e em que ponto será diferente de Lula, caso ganhe as eleições?

Ela mesma disse que duas coisas seriam prioridade. Primeiro, a infraestrutura brasileira. O governo Lula melhorou a atividade econômica e a política social, mas tudo que é investimento estrutural no país ainda está faltando. Em segundo lugar, além da política de distribuição de renda, há a política habitacional, de saneamento, transporte e educação. Quer dizer, coisas qualitativas, não apenas de distribuição de renda.

Como o senhor vê a atual relação da Alemanha com o Brasil?

Infelizmente, houve um grande distanciamento do Brasil em relação à Europa e vice-versa. O que foi positivo, porque aumentou a importância da China, da Índia. Isso acabou sendo bom pra nós, porque pagamos um preço menos duro pela crise, já que a demanda de quem mais está em crise, a Europa e os EUA, diminuiu.

Deveríamos retomar uma relação de intercâmbio maior. Mas é preciso que a Europa mude também. A América Latina e o Brasil estão mudando, e a Europa está com uma política ainda antiga. Um pacote recessivo como esse que o governo alemão coloca – também o grego, o espanhol e o francês – é para nós passado. Não deu certo. Não se supera crise com recessão, mas sim com distribuição de renda e criação de empregos. Se é possível aprender alguma coisa com a experiência brasileira e latino-americana, é isso.

O senhor vê com otimismo a era pós-Lula?

Ganhando a Dilma, o que é provável que aconteça, acho que sim. A derrota que vai se impor à direita vai abrir espaço para um crescimento muito forte do movimento popular. Ou seja, o Brasil pode estar decidindo este ano o seu futuro na primeira metade do século. Porque pode estar projetando uma sociedade solidária, justa, o que não teve até agora.

Como o senhor vê as críticas da oposição à candidatura Dilma devido ao suposto uso da máquina pública?

É uma bobagem. A propaganda do governo FHC se fazia em plena campanha eleitoral. Ele foi candidato, depois teve seu candidato. Isso antes já acontecia abertamente. Trata-se de um pequeno contraponto em relação ao brutal monopólio da mídia no Brasil. Todos os grupos econômicos da mídia no Brasil apoiam o Serra. Ele detém o monopólio privado.

O Lula não faz discurso para o povo brasileiro, pois o povo brasileiro não ouve diretamente o Lula. A imprensa é que escolhe o que ela quer e transmite então ao povo. O presidente mais popular do Brasil não consegue falar para o povo. A intermediação é feita pela imprensa privada. Esse é que é o grande problema, a falta de democracia, não o uso do aparelho público.

Entrevista: Márcio Damasceno

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais