1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Brasil pede explicações aos EUA sobre denúncia de espionagem

Reportagem do jornal "O Globo" afirma que o Brasil foi o segundo país mais espionado pela Agência Nacional de Segurança dos EUA no continente americano. Patriota afirma que governo recebeu notícia com preocupação.

O governo do Brasil pediu explicações aos Estados Unidos sobre a espionagem das comunicações de cidadãos brasileiros pela Agência Nacional de Segurança norte-americana (NSA, na sigla em inglês), disse neste domingo (07/07) o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota. Segundo ele, os esclarecimentos foram solicitados por meio da Embaixada do Brasil em Washington e, ainda, ao embaixador dos EUA no Brasil.

A NSA monitorou atividades telefônicas e e-mails de empresas brasileiras e particulares na última década, como parte das suas atividades de espionagem, segundo noticiou neste domingo o jornal O Globo, citando documentos fornecidos pelo fugitivo Edward Snowden, ex-consultor de inteligência da NSA que denunciou um gigantesco esquema de espionagem.

Patriota disse que o Itamaraty recebeu com "grave preocupação" a notícia de que contatos eletrônicos e telefônicos de seus cidadãos estariam sendo monitorados. Patriota deu as declarações em Paraty, no Rio de Janeiro, onde está sendo realizada a 11ª Festa Literária Internacional (Flip).

Segundo ele, o governo brasileiro lançará iniciativas internacionais para "proibir abusos e impedir a invasão de privacidade" dos usuários da internet, junto à ONU e à União Internacional de Telecomunicações (UIT), em Genebra, na Suíça.

A reportagem de O Globo afirma que o Brasil foi o segundo país mais espionado no continente americano, tendo ficado atrás apenas dos próprios EUA. Segundo o diário carioca, os documentos secretos revelam ainda que o Brasil aparece como alvo prioritário, ao lado de países como China, Rússia, Irã e Paquistão.

Parte do acesso às comunicações brasileiras foi obtido através de empresas dos EUA que são parceiras de companhias brasileiras de telecomunicações, precisou O Globo, sem revelar os nomes das empresas.

"Estamos muito preocupados com essas notícias, especialmente com a possível relação com empresas brasileiras. Se isso realmente ocorre, configura um delito contra a legislação brasileira e a Constituição. Nossa Constituição assegura o direito à intimidade e privacidade. Se houver empresas brasileiras mancomunadas com empresas estrangeiras para violar o segredo telefônico e de dados, seria um absurdo", declarou o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

AS/lusa/abr/dpa

Leia mais