Brasil encara peso do favoritismo em ″projeto hexa″ | Fique informado sobre tudo o que acontece na Copa do Mundo | DW | 13.06.2006
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Brasil encara peso do favoritismo em "projeto hexa"

Pentacampeões mundiais têm o primeiro desafio real de seu esquema ofensivo na estréia da Copa do Mundo, nesta terça-feira, contra a Croácia. São 31 seleções apontando o país como o virtual campeão na Alemanha.

default

Ronaldo supera as críticas pré-Copa?

Poderia ser mais simples, mas a pressão é inevitável levando-se em consideração a projeção que a seleção brasileira recebeu nos últimos anos. O time estréia na Copa do Mundo às 21 horas (16h de Brasília) desta terça-feira, contra a Croácia, em Berlim, em prol do sucesso de um esquema ofensivo e em um cenário perigoso.

Todas as outras 31 seleções apostam no Brasil como o favorito ao título. Até a eterna rival Argentina, que ultimamente é só elogios à equipe de Carlos Alberto Parreira. Além disso, as críticas sobre Ronaldo e as expectativas em torno do bom rendimento do "quadrado mágico" são fatos que já incomodam os jogadores.

A imprensa portenha estampa em manchetes que a Copa terá início nesta terça, e aponta o Brasil como a "oitava maravilha". "Todas as vezes que o Brasil foi a uma Copa como favorito, perdeu. Portanto, é melhor que os jogadores não se sintam muito seguros", alertou Pelé.

"Existe uma pressão enorme sobre o Brasil, nós sabemos disso, conhecemos a nossa responsabilidade e vamos levar o torneio a sério. O time está pronto e consciente do que precisa fazer para vencer. Pretendemos não decepcionar ninguém", retrucou Ronaldinho Gaúcho.

Ascensão individual e pressão sobre o time

Parreira e o auxiliar Zagallo já haviam percebido, antes de os treinos começarem, a pressão que a equipe sofreria na Alemanha. A responsabilidade nunca foi tão grande, e ela cresceu principalmente devido à ascensão individual de cada um dos integrantes do quarteto. Kaká e Adriano, além de Ronaldo e Ronaldinho, tornaram-se ídolos do futebol mundial.

"O esquema só vai funcionar se a equipe render como um todo porque o futebol é coletivo. Não podemos ter apenas o Emerson e o Zé Roberto marcando no meio-campo. Se isso acontecer, dificilmente chegaremos até a final", comentou o treinador.

O comandante brasileiro inclusive tentou jogar para cima da anfitriã Alemanha um favoritismo maior pelo título. "A responsabilidade é deles. Estão jogando em casa", argumentou.

Na Croácia, a idéia é atrapalhar a vida da seleção brasileira e depois disputar uma vaga nas oitavas-de-final com a Austrália, que fez 3 a 1 no Japão na abertura do grupo F. Mesmo assim, o técnico Zlatko Kranjcar não deixou de provocar.

"Tentaremos vencer, é claro. Mas não será nenhuma tragédia se perdermos para um time que todos estão enxergando como, talvez, o melhor time brasileiro de todos os tempos", comentou.

BRASIL x CROÁCIA

Data: 13/6/2006 (Terça-feira)

Local: Estádio Olímpico de Berlim

Horário: 21h (16h de Brasília)

Árbitro: Benito Archundia (México)

Auxiliares: José Ramirez e Hector Vergara (ambos mexicanos)

Brasil

Dida; Cafu, Lúcio, Juan e Roberto Carlos; Emerson, Zé Roberto, Kaká e Ronaldinho Gaúcho; Adriano e Ronaldo

Técnico: Carlos Alberto Parreira

Croácia

Pletikosa; Simic, R. Kovac e Simunic; Srna, Tudor, N. Kovac, N. Kranjcar e Babic; Klasnic e Prso

Técnico: Zlatko Kranjcar