1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Brasil e Alemanha debatem oportunidades de negócios em Frankfurt

Encontro Econômico Brasil-Alemanha reúne empresários dos dois países e mira as oportunidades de negócios oferecidas pela Copa de 2014, as Olimpíadas de 2016 e o crescente mercado interno brasileiro.

A transmissão da final da Eurocopa – na qual a Espanha goleou a Itália – foi o único evento esportivo no programa do 30º Encontro Econômico Brasil-Alemanha, que começa neste domingo (1º/07) e segue até terça-feira em Frankfurt. E por um bom motivo: o Brasil, com sua pauta diversificada, não precisa mais se apoiar em jogadores de futebol e grandes eventos esportivos quando o assunto é liderança nas exportações. Ao contrário: o fato de o supertalento Neymar continuar no país pode ser entendido como um sinal de prosperidade.

Ainda assim, a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016 atraem investimentos de todo o mundo, e também de empresas alemãs. "Os eventos esportivos atraem empresas especializadas em preparativos para a Copa, mas também chamam a atenção para o Brasil, um mercado por muitos visto como exótico ou como um nicho", diz Oliver Döhne, representante em São Paulo da Germany Trade and Invest (GTAI), organização que promove o comércio e os investimentos estrangeiros na Alemanha.

Pelos cálculos dele, os investimentos totais na Copa do Mundo de 2014 giram em torno de 50 bilhões de euros, incluindo as obras para melhorar o trânsito e modernizar os aeroportos.

Consumo reprimido

Um crescente interesse de empresas alemães tem sido registrado desde 2007, ano em que a Fifa anunciou a Copa no Brasil, observa Yves Ehlert, que chefia o escritório da Sociedade Alemã de Investimentos e Desenvolvimento (DEG) em São Paulo. Mas ele diz que os dois eventos esportivos não são os principais responsáveis por isso. Mais importante, segundo Ehlert, é a constatação de que há estabilidade política e econômica no país. "A continuidade política, o crescimento econômico constante e um mercado interno interessante, que assegura ao país uma relativa independência da economia mundial", resume.

O crescimento do mercado interno brasileiro também é destacado por Döhne: "Com o desenvolvimento econômico estável, os programas sociais e o aumento da oferta de empregos, cerca de 30 milhões de pessoas foram integradas ao mercado consumidor e estão agora matando a vontade de consumir".

O mercado interno é muito importante para a economia brasileira. As exportações representam apenas 11% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, que soma 2,5 trilhões de dólares e é o sexto maior do mundo – maior do que o do Reino Unido e pouco menor do que o da França.

Mercados para empreendimentos alemães

Döhne destaca alguns setores em que os alemães têm o que oferecer aos brasileiros. "As tecnologias voltadas para a saúde têm ganhado em importância. Além disso, todo o setor energético é interessante e um comprador de bom grado de tecnologia alemã. Em relação às energias renováveis, as centrais eólicas já se estabeleceram, e a energia solar pode ser a próxima", diz Döhne. Além disso, a indústria petrolífera brasileira é o mercado de maior expansão no mundo no que se refere a tecnologias de extração offshore.

Ehlert vê também grande potencial de crescimento nas centrais de biogás e outras tecnologias energéticas verdes: "gestão de resíduos, construção verde e eficiência energética devem se tornar cada vez mais importantes".

Além disso, setores tradicionais da economia, como as indústrias automotiva, química e mecânica, em que empresas alemãs já marcam presença há décadas, também oferecem boas oportunidades graças à economia em expansão.

O Brasil ocupa hoje apenas o vigésimo lugar na lista de parceiros comerciais alemães. Na lista brasileira, entretanto, a Alemanha está em quarto lugar. E a tendência é de claro crescimento em ambos os lados. De acordo com o governo brasileiro, a balança comercial bilateral entre os dois países teve um aumento de 17,2% entre 2010 e 2011, chegando a 24,25 bilhões de dólares.

Autor: Jan D. Walter (ff)
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais