Brasil deve ter cautela com produção de etanol, adverte especialista | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 11.03.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Brasil deve ter cautela com produção de etanol, adverte especialista

Especialistas em segurança alimentar na Europa acham que Brasil deveria evitar o desperdício de alimentos e a monocultura, e destinar os biocombustíveis para o mercado interno.

default

Produção de soja em larga escala do Brasil é criticada

O Brasil deve ter cuidado com a produção em larga escala de etanol e de monoculturas como a soja, se pretende garantir a segurança alimentar de sua população. A opinião é do vice-presidente do Conselho Mundial de Agricultura (IAASTD), o suíço Hans Herren. Para ele, esses produtos, apesar de serem uma "maravilha do capital, não ajudam o mundo na questão da segurança alimentar".

Herren participou do encontro sobre segurança alimentar no mundo, promovido pelo Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD), em Bonn. O evento contou com a participação de quase 50 especialistas do setor em países em desenvolvimento, incluindo quatro brasileiros.

O especialista suíço disse que é perigoso trabalhar com a agricultura visando obter grandes resultados financeiros a curto prazo. Herren defende que esta idéia pode "inviabilizar a diversificação da produção de alimentos". Para exemplificar, ele citou não só o caso dos biocombustíveis, mas também os esforços latino-americanos a fim de abastecer o mercado chinês de soja.

Produção em larga escala

As exportações brasileiras de commodities agrícolas para a China quase quintuplicaram entre 2003 e 2008, saltando de 1,3 bilhão de dólares para 5,3 bilhões de dólares, conforme dados do Conselho Empresarial Brasil-China.

Segundo o especialista da IAASTD, há atualmente "uma tendência preocupante de produção desse produto na região". Os latino-americanos estariam investindo cada vez mais em culturas de larga escala, o que causaria "empobrecimento do solo, redução do número de pessoas envolvidas no cultivo e grandes gastos de energia", explica.

Landwirtschaft und Urwald in Brasilien

'Pessoas devem continuar fazendo parte da produção', defende Herren

Para Herren, o ideal seria que a agricultura de larga escala se tornasse humana e sustentável, sem a exclusão das pessoas do processo de produção. "Cuidados ambientais não podem ficar de fora, pois a agricultura é parte do meio ambiente", opina.

Biocombustíveis e subsídios

O responsável pela Divisão de Desenvolvimento Agrícola do Ministério alemão de Cooperação Econômica e Desenvolvimento, Christoph Kohlmeyer, acha que o Brasil, como todos os países exportadores de alimentos em potencial, "deveria tentar se concentrar em atender o seu próprio mercado".

Segundo o especialista, que responde também pelos temas ligados à segurança alimentar global no ministério alemão, produzir combustível em áreas onde é necessária a produção de comida é uma ação crítica. "Os biocombustíveis deveriam atender o mercado interno dos países. A exportação não é sustentável", defende Kohlmeyer.

Com relação ao comércio internacional de produtos alimentícios, Kohlmeyer é contra os subsídios concedidos pelos governos na política de abertura dos mercados. "Isso tem atrapalhado bastante o comércio dos alimentos no mundo", opina. Ele acredita que é necessário rever as regras do mercado internacional para que se implemente "uma nova política de abertura dos mercados".

Estratégia de segurança

Herren destaca que uma boa estratégia para a segurança alimentar de países pobres e emergentes seria diversificar a produção e agregar valor aos produtos. Na produção de frutas, por exemplo, é importante não somente fazer sucos, mas também processar a fruta criando outros bens. "Assim, você pode exportar produtos finalizados", sugere o especialista.

FAO, Food and Agriculture Organisation of the United Nations, Logo

FAO denuncia desperdício de alimentos no Brasil

Conforme a pesquisadora da Universidade Federal do Ceará Maria Teresa Salles Trevisan, segurança alimentar também significa conter o desperdício. "Toneladas da polpa de caju são jogadas fora, porque o mercado externo quer apenas a castanha", explica Trevisan, que trabalha no Grupo de Biotransformações e Produtos Naturais do Ceará.

Durante o encontro em Bonn, ela afirmou que o grande papel que o Brasil pode desempenhar é atingir "perda zero" na produção. Conforme a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o desperdício chega a 64% do que se planta no país.

Trevisan explica que a "precária infraestrutura de transporte e o armazenamento dos alimentos" contribuem para o problema. Para a FAO, outros fatores que agravam o desperdício são a falta de reciclagem e o fato de o consumidor comprar mais do que precisa.

Autor: Marcio Pessôa
Revisão: Augusto Valente

Leia mais