Brasil deve puxar crescimento da América Latina em 2018 | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 10.01.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Brasil deve puxar crescimento da América Latina em 2018

Segundo Banco Mundial, alta do PIB da região deve dobrar em relação à do ano anterior, com economia do Brasil avançando 2%. No cenário global, mercados emergentes devem impulsionar crescimento.

Porto de Santos

Porto de Santos: economia brasileira sinaliza recuperação

O Banco Mundial estima que o crescimento da América Latina dobre neste ano em relação a 2017, passando de 0,9% para 2%. O principal motivo da alta, segundo a instituição, é a recuperação do Brasil, que tem previsão de crescer 2% em 2018, após registrar dois anos seguidos de contração, em 2015 e 2016, e alta estimada em 1% em 2017. Em 2019, a expansão deve ser de 2,3%.

Além disso, o Banco Mundial projetou que o crescimento mais forte na América Latina ocorra no Panamá, onde deve alcançar 5,6%, de acordo com o relatório semestral Perspectivas Econômicas Globais, divulgado nesta terça-feira (09/01).

Leia também:

Eleição presidencial deve influenciar desempenho do PIB em 2018

Segundo as previsões, a Argentina registrará uma expansão do PIB de 3%, e o México de 2,1%, índices superiores a 2017. Por outro lado, mergulhada numa crise econômica e política, a economia da Venezuela deve contrair 4,2% em 2018.

O Banco Mundial também elevou as previsões de crescimento da economia global para 3,1% em 2018, graças à alta nos investimentos e no comércio. Será a primeira vez desde a crise financeira de 2008, que a economia mundial chegará perto ou alcançará plena capacidade. No último relatório, de junho, a alta global havia sido estimada em 2,8%.

O crescimento econômico global deve alcançar a marca de 3% também em 2017, 0,3 ponto percentual acima da estimativa anterior. Após os 3,1% em 2018, em 2019, espera-se que o crescimento fique em 3%, e em 2020, em 2,9%.

Economias emergentes x desenvolvidas

A maior parte do crescimento será impulsionada pelas economias emergentes, em particular por países exportadores de commodities, com taxas de crescimento para o grupo como um todo estipuladas em cerca de 4,5% em 2018 e uma média de 4,7% para 2019 e 2020, segundo o Banco Mundial.

O Banco Mundial elevou sua previsão para a China em 2017 em três décimos, para 6,8%, e estimou uma expansão de 6,4% do Produto Interno Bruto (PIB) chinês em 2018.

Em contrapartida, o crescimento nas economias desenvolvidas deverá passar de 2,3% em 2017 para 2,2%, em 2018, enquanto os bancos centrais eliminam gradualmente os níveis de investimentos pós-crise.

O crescimento na zona do euro foi atualizado, com um aumento de 0,7 ponto percentual em 2017 (2,4%) e 0,6 ponto percentual em 2018 (2,1%). As projeções mostram um crescimento levemente menor nos EUA – 2,3%, em 2017, e 2,2%, em 2018.

O relatório da principal instituição de desenvolvimento global destacou que os governos devem olhar além das políticas monetárias e fiscais, promovendo reformas que incentivem a produtividade. Entre as sugestões feitas pela instituição estão mudanças com objetivo de melhorar a educação, a saúde de qualidade e a infraestrutura nos países em desenvolvimento.

PV/efe/lusa/afp/rtr

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais