Brasil defende extensão de Kyoto, mas evita críticar os opositores ao acordo | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 21.11.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Brasil defende extensão de Kyoto, mas evita críticar os opositores ao acordo

País defende a continuidade do Protocolo de Kyoto como a política mais apropriada no combate às mudanças climáticas. Aumenta pressão das nações ricas sobre emergentes para que também se comprometam a reduzir emissões.

default

Dias cinzentos: futuro do Protocolo de Kyoto em jogo

O Brasil chega à próxima conferência do clima com um discurso mais ameno. Evitando críticas diretas aos países que se opõem publicamente a controlar as emissões dos gases de efeito estufa, o governo brasileiro demonstra uma posição mais flexível sobre o futuro de Kyoto, às vesperas da nova rodada de negociações climáticas.

"Entendemos que alguns países signatários de Kyoto possam escolher não participar do segundo período. É infeliz, mas a decisão é deles. Respeitamos isso", respondeu à DW Brasil o embaixador Luis Alberto Figueiredo Machado, do Ministério de Relações Exteriores. Figueiredo se refere a Canadá, Rússia e Japão, que resistem em acordar na extensão do Protocolo de Kyoto, que expira em 2012. "Mas sentimos que alguns países querem mover adiante nesse contexto, e isso é bem-vindo", acrescentou.

O futuro do acordo que obriga as nações desenvolvidas a diminuírem suas emissões deve dominar o debate na COP 17, que acontece entre 28 de novembro a 9 de dezembro em Durban, na África do Sul. O Brasil diz que "está trabalhando intensamente com outros parceiros para possibilitar a continuidade" do protocolo, defendido pelo país como a política mais apropriada na briga contra as mudanças climáticas.

E se nada acontecer em Durban

Ninguém sabe responder o que virá depois de Kyoto, a convenção assinada em 1997 e em vigor desde 2008. O acordo assinado pelas 37 nações industrializadas – menos os Estados Unidos – impôs o corte de 5% de suas emissões entre 2008 e 2012, com base nos índices de 1990.

Sobre essa indefinição, Figueiredo defende que "um acordo obrigatório não pode ser algo que se busque a qualquer preço. O mais importante é o conteúdo do documento". Segundo o embaixador, o racha de opiniões nos bastidores é grande. "Alguns sinalizam que se a Europa se mantiver num segundo período (de Kyoto), o mundo inteiro moveria também nessa direção. Outros dizem que é muito cedo. Ainda é preciso alguma reflexão sobre quais serão os aspectos desse instrumento", revela.

Por outro lado, o negociador quis reforçar o posicionamento brasileiro a favor da continuidade do protocolo: "Acho que deveríamos ter um segundo período, que acabaria em 2020. E achamos que, bem antes disso, negociações devem acontecer visando um próximo passo." Até lá, o novo relatório do IPCC, Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, já será conhecido – a expectativa é que estudo que será lançado em 2014 seja "ainda mais preocupante".

Pressão sobre os emergentes

A cobrança para que países emergentes, como China, Brasil e Índia, também se comprometam a reduzir suas emissões é cada vez maior, e vem principalmente das nações tradicionais ricas. "Temos consciência do nosso papel e o estamos cumprindo. Nós nos comprometemos voluntariamente a reduzir nossas emissões até 2020", respondeu Izabella Teixeira, ministra de Meio Ambiente.

Em 2010, o Brasil assumiu em Copenhague a meta voluntária de reduzir a emissão de gases de efeito estufa entre 36,1% e 38,9% até 2020, em relação ao que emitia em 1990. Mais tarde, a promessa virou lei nacional, seguindo a Política Nacional de Mudanças Climáticas. "Estamos fazendo a nossa parte, e fazemos muito mais do que outros. A pressão não está exatamente sobre nós.O que sentimos é que a próxima fase das negociações climáticas exige certos tipos de comportamentos de todas as partes", completou Figueiredo.

Autora: Nádia Pontes
Revisão:  Roselaine Wandscheer

Leia mais