1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Brasil critica "uso desproporcional da força por Israel"

Itamaraty eleva tom contra governo israelense. Em nota oficial, governo considera "inaceitável a escalada da violência entre Israel e Palestina" e reitera "chamado a um imediato cessar-fogo".

default

Mulher palestina ao lado da casa de parentes, na cidade de Gaza. Segundo a polícia, local foi atingido por um míssil israelense

Em nota oficial, o Ministério das Relações Exteriores brasileiro criticou nesta quarta-feira (23/07) o Estado de Israel pelo que chamou de "uso desproporcional da força na Faixa de Gaza".

O conflito entre Israel e o grupo radical palestino Hamas, que controla a Faixa de Gaza, já completou 16 dias e custou até agora a vida de 718 palestinos e 32 soldados israelenses, estes mortos depois do dia 17, quando o Exército de Israel iniciou uma ofensiva terrestre.

"O Governo brasileiro considera inaceitável a escalada da violência entre Israel e Palestina. Condenamos energicamente o uso desproporcional da força por Israel na Faixa de Gaza, do qual resultou elevado número de vítimas civis, incluindo mulheres e crianças", diz a nota.

No comunicado, o governo brasileiro também reitera seu chamado a "um imediato cessar-fogo". A nota afirma ainda que, "diante da gravidade da situação", o governo brasileiro votou a favor da resolução do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas sobre o tema, adotada nesta quarta-feira.

Dos 47 países-membros do Conselho, a resolução foi aprovada por 29 votos, enquanto 17 países se abstiveram. O único voto contra foi o dos Estados Unidos, que considerou que o conteúdo da resolução "não é construtivo, mas destrutivo" e em nada contribui para o fim das hostilidades.

A resolução condena a atual ofensiva militar de Israel em Gaza. O Conselho de Direitos Humanos da ONU anunciou ainda a criação de uma comissão internacional para investigar "todas as violações" e julgar os responsáveis.

A nota do Itamaraty termina com a afirmação de que o embaixador do Brasil em Tel Aviv foi chamado a Brasília para consultas.

AS/lusa/ap/ots

Leia mais