Brasil assume presidência rotativa do Conselho de Segurança da ONU | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 01.02.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Brasil assume presidência rotativa do Conselho de Segurança da ONU

Situação no Sudão e nos países árabes do norte da África deve dominar os debates em fevereiro, mês em que o Brasil exercerá a presidência do órgão mais poderoso das Nações Unidas.

default

Viotti

O Brasil ocupa a partir desta terça-feira (01/02) a presidência do Conselho de Segurança, órgão mais poderoso das Nações Unidas. A embaixadora do país na ONU, Maria Luiza Ribeiro Viotti, será a primeira brasileira a ocupar a cadeira. O mandato da presidência do Conselho de Segurança dura um mês, para que cada um dos 15 países-membros possa exercer o cargo. A sequência dos ocupantes segue a ordem alfabética. Em março, será a vez da China, que é membro permanente.

Viotti declarou à Deutsche Welle que planeja reacender as discussões sobre a inter-relação entre paz, segurança e desenvolvimento. Para isso pretende promover um debate sobre o assunto, com a participação de ministros dos 15 países-membros do Conselho de Segurança.

"Queremos realçar a importância de um enfoque integrado nas questões de paz e segurança, que leve em conta as causas dos conflitos, muitas vezes associadas à pobreza, à desigualdade social e à falta de emprego para os jovens", disse a embaixadora, afirmando que a intenção é fazer com que o Conselho de Segurança e também outros órgãos da ONU procurem encontrar soluções integradas para essas questões.

"Esse é um tema muito caro para os países e é uma contribuição que o Brasil pode dar, pois temos uma sensibilidade especial para essas relações, que talvez não sejam tão prioritárias para alguns governos, mas são essenciais para o Brasil e para os países africanos e latino-americanos", declarou Viotti.

A embaixadora também anunciou que, para aproveitar a presença das autoridades em Nova York, no dia 11 de fevereiro, acontecerão reuniões do G4 (Brasil, Índia, Alemanha e Japão) e dos países do Ibas (Índia, Brasil e África do Sul).

Consolidação da paz no Sudão

Durante a sua presidência, o Brasil presidirá reuniões importantes da agenda da ONU. A situação no Sudão deve ser um dos principais assuntos de fevereiro, segundo a embaixadora, já que o referendo sobre a divisão do país aconteceu no início de janeiro e os resultados oficiais são esperados para este mês.

"Nós estamos prevendo consultas informais no Conselho, já no final da primeira semana, para fazer a avaliação e ouvir briefings de representantes das Nações Unidas. Em seguida ocorre o processo de exame de eventuais recursos. Uma vez analisados, e declarado o resultado oficial, iremos anunciar uma sessão aberta com representantes do sul e do norte do Sudão", declarou Viotti. Ela disse ser este um momento muito importante para consolidar a paz e negociar uma possível rearticulação da presença das Nações Unidas no país africano.

Outros desafios

"O mês vai ser curto mas intenso", disse a embaixadora, fazendo referência aos 28 dias de fevereiro. Recentes conflitos em países africanos, como o Egito e a Tunísia, devem fazer parte dos debates, apesar de não estarem previstas decisões sobre possíveis intervenções da ONU.

Eentre os assuntos já agendados para os debates do mês estão o acompanhamento da situação no Líbano, no Kosovo, na República Democrática do Congo, na Guiné Bissau e em Timor Leste.

Viotti mostrou-se satisfeita com a presença de Portugal no Conselho: "Um aspecto que temos destacado é o fato de termos agora dois membros de expressão portuguesa no Conselho e temas relacionados aos países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, como as situações da Guiné Bissau e de Timor Leste".

Em busca de mais poder

A embaixadora afirmou que o posto traz visibilidade ao Brasil. "É uma oportunidade de a nossa voz ser ouvida com mais atenção." Há anos que a reivindicação por uma cadeira fixa no Conselho de Segurança tem sido o enfoque principal de governantes brasileiros nas questões relacionadas à estrutura das Nações Unidas. "Ocupar a presidência é a chance de ter voz ativa e mostrar com mais evidência como o país pode contribuir com ideias e ações."

O Brasil busca uma maior participação nas decisões mundiais da política internacional e se destaca principalmente em missões de ajuda humanitária, como no caso do Haiti, onde está desde 2005. As tropas brasileiras foram enviadas ao país após a crise que forçou a saída do então presidente Jean Bertrand Aristide, em fevereiro de 2004. O trabalho do Brasil foi essencial logo após o terremoto, no início de 2010.

O país tem ainda uma forte atuação nas relações com as demais nações de língua portuguesa, com transferência de recursos e intercâmbio de programas sociais, assinalou a embaixadora.

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, já deixou claro que o Brasil é um país que se identifica com a busca de soluções diplomáticas e quer promover mecanismos de cooperação mais democráticos e representativos. Patriota declarou ainda que a política externa do Brasil não muda radicalmente com o novo governo.

Autora: Cleide Klock, de Nova York
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais