″Brasília foi um tropeço histórico″, diz Paulo Mendes da Rocha | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 02.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

"Brasília foi um tropeço histórico", diz Paulo Mendes da Rocha

Em entrevista, arquiteto premiado na Bienal de Veneza afirma que tirar o título de capital do Rio de Janeiro foi erro político muito forte. "Isso não tem nada que ver com a obra do Niemeyer, que é altamente criativa."

"Um desafiador não conformista e, ao mesmo tempo, um realista apaixonado. O atributo mais marcante de sua arquitetura é a atemporalidade." Com essas palavras, o comitê da Bienal de Arquitetura de Veneza anunciou o Leão de Ouro para Paulo Mendes da Rocha pelo conjunto de sua obra.

Para o arquiteto, receber o Leão de Ouro é uma homenagem extraordinária. "É o mais sedutor, o mais erótico prêmio de arquitetura que possa existir", afirmou. Mendes da Rocha é o segundo arquiteto brasileiro a receber o Leão de Ouro. Antes dele, só Oscar Niemeyer, há vinte anos, foi laureado no evento.

Mendes da Rocha defende uma arquitetura simples e social e afirma que a política é a questão central da arquitetura e da cidade contemporânea. Questionado sobre o que faria se um dia tivesse a possibilidade de reconstruir Brasília, ele é enfático: "Eu não teria feito Brasília."

Para ele, comunicar a uma cidade como o Rio de Janeiro que "aqui não é mais a capital" é um erro muito forte do ponto de vista político. "É como se, na Itália, dissessem: agora Roma não é mais a capital. Não faz nenhum sentido. É um tropeço histórico. Não tem nada que ver com a obra do Niemeyer, que é altamente criativa. É a decisão política que, na minha opinião, é errada."

Para ele, a construção de outras cidades teria sido muito mais útil na época: "A navegação da grande rede hidroviária do Brasil e as ligações necessárias e fáceis de imaginar entre o Atlântico e o Pacífico obrigariam à construção de inúmeras cidades com uma utilidade mais interessante do que aquilo que já estava feito, que era a capital no Rio de Janeiro".

Arquitetura brasileira nos dias atuais

O tema da Bienal de Arquitetura de Veneza 2016, "Reporting from the front" (Notícias do front, em tradução livre), inspirou o arquiteto ao comentar a situação da arquitetura brasileira. Segundo ele, ela está na mesma situação: "Precisando de boas notícias do front".

Assistir ao vídeo 04:38
Ao vivo agora
04:38 min

Entrevista com Paulo Mendes da Rocha

Para Mendes da Rocha, o desenvolvimento sustentável não é um obstáculo para a arquitetura. "A sustentabilidade deve ser entendida não como uma intocabilidade, mas como uma transformação virtuosa. Para lembrar, o Tâmisa, em Londres, não é o rio original, o Sena, em Paris, também não. Foram transformados para frequentar o espaço da cidade", comenta.

Nascido em 1928, Mendes Rocha pertence à geração de arquitetos modernistas liderado por Vilanova Artigas, da Escola Paulista. O movimento, também chamado de arquitetura brutalista, teve início na década de 1950 e se caracteriza, entre outras coisas, pela adoção de concreto armado aparente e valorização da estrutura.

Entre os principais projetos de Mendes da Rocha estão o Ginásio do Clube Atlético Paulistano, o Edifício Guaimbê, o Museu Brasileiro da Escultura, o Museu da Língua Portuguesa e a reforma da Pinacoteca do Estado de São Paulo. Por este último, o arquiteto recebeu, em 2001, o Prêmio Mies van der Rohe para a América Latina.

Em 2006, Paulo Mendes da Rocha se tornou o segundo brasileiro a receber o Prêmio Pritzker, o mais importante da arquitetura mundial. Oscar Niemeyer foi laureado em 1988.

Aos 87 anos, e em plena atividade, o mais novo projeto de Mendes da Rocha é a reforma da entrada principal do Parque Ibirapuera, em São Paulo.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados