1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Bombeiros acham corpo três semanas após tragédia em Mariana

Número de mortos pelo rompimento de barragem chega a 13. Em nota, ONU critica o governo federal e empresas envolvidas e diz que resposta foi "claramente insuficiente".

Chegou a 13 o número de mortos na tragédia causada pelo rompimento de uma barragem em Mariana, há três semanas. O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais afirmou nesta quinta-feira (26/11) que encontrou um corpo próximo ao distrito Ponte do Gama, em Ponte Nova, uma das áreas atingidas pela lama.

Segundo os bombeiros, a vítima – ainda sem identificação – foi localizada por volta das 21h desta quarta-feira, com ajuda de cães farejadores, a cerca de 70 quilômetros de Mariana. Entre os 13 corpos encontrados, apenas oito pessoas foram identificadas.

Em 5 de novembro, a barragem de Fundão – pertencente à mineradora Samarco, joint-venture da Vale e da anglo-australiana BHP – se rompeu, liberando toneladas de rejeitos de mineração. A lama destruiu o distrito de Bento Rodrigues, atingiu dezenas de outras cidades mineiras e do Espírito Santo e contaminou o Rio Doce.

A lama percorreu 650 km até a foz do rio Doce e se espalhou pelo litoral do Espírito Santo.

A lama percorreu 650 km até a foz do rio Doce e se espalhou pelo litoral do Espírito Santo.

Ainda há 11 desaparecidos, e as buscas continuam na região. "Um grupo está fazendo escavações com maquinário fornecido pela Samarco, e outro trabalha com cães para fazer varredura nas áreas mais atingidas", informou a assessoria de comunicação do Corpo de Bombeiros.

De acordo com o órgão, a lama nas proximidades de Mariana ainda está instável. "Quando faz sol, a lama endurece, mas, como está chovendo todos os dias na região, amolece de novo, o que dificulta o trabalho."

"Inaceitável", diz ONU

A Organização das Nações Unidas (ONU) emitiu um comunicado nesta quarta-feira para pedir ao governo e às empresas envolvidas que tomem "medidas imediatas para proteger o meio ambiente e a saúde das comunidades em risco".

"Não é o momento para uma postura defensiva", diz a nota, que traz falas de John Knox, relator especial das Nações Unidas sobre direitos humanos e meio ambiente, e Baskut Tuncak, relator para direitos humanos e substâncias e resíduos perigosos.

A ONU diz considerar inaceitável a resposta do governo e das empresas à tragédia. "Não é aceitável que tenha demorado três semanas para que informações sobre os riscos tóxicos da catástrofe da mina tenham vindo à tona", dizem os especialistas. "As medidas tomadas pelo governo brasileiro, a Vale e a BHP para evitar danos foram claramente insuficientes."

Leia mais

Os relatores das Nações Unidas questionam ainda se as leis do Brasil são consistentes com os padrões internacionais de direitos humanos, incluindo o direito à informação. "Este desastre serve como mais um exemplo trágico do fracasso das empresas em conduzir adequadamente devida diligência para prevenir violações de direitos humanos."

Segundo o comunicado, uma "nova evidência" mostra que o rompimento da barragem lançou no rio Doce um total de 50 milhões de toneladas de resíduos de minério de ferro, "contendo altos níveis de metais pesados e outros produtos químicos tóxicos".

"A escala do dano ambiental é o equivalente a 20 mil piscinas olímpicas de resíduos de lama tóxica contaminando solo, rios e o sistema de água numa área de mais de 850 quilômetros", alerta Knox. A ONU, porém, não identifica os estudos que basearam essas afirmações.

A resposta do governo

Após a divulgação da nota, o governo brasileiro afirmou que "não há indicações de que a lama seja tóxica em relação a metais pesados".

Segundo o Serviço Geológico Brasileiro, que faz monitoramento contínuo da bacia após o desastre, novas amostras de águas e sedimentos coletados no rio Doce indicam que não houve aumento na presença de metais pesados em comparação com dados de 2010.

Por outro lado, essas coletas mostram uma quantidade de material em suspensão (turbidez da água) muito acima dos valores observados há cinco anos. "Além da turbidez, os resultados revelam uma diminuição significativa na quantidade de oxigênio dissolvido na água", o que pode explicar as mortes dos peixes na bacia.

Em contato com a DW Brasil, a Secretaria de Imprensa da Presidência afirmou que o governo procurará a ONU para esclarecer alguns pontos do comunicado – aqueles que dizem respeito ao atendimento emergencial às vítimas, abastecimento de água na região, monitoramento e recuperação do rio Doce, multas à Samarco e força-tarefa para salvar animais ameaçados.

O comunicado destaca ainda que o governo federal esteve presente na ajuda aos Estados afetados "desde o primeiro momento" e que iniciou "um diálogo com os governos mineiro e capixaba para definir um plano conjunto de recuperação da Bacia Hidrográfica do rio Doce".

Além disso, já estão sendo implementadas "ações de emergência para proteger a fauna, como a retirada de ovos de tartaruga na costa capixaba e a captura e transporte de matrizes de peixes também ameaçados".

EK/abr/lusa/rtr

Leia mais