1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Bombas atingem área militar e matam soldados sírios

Explosões aconteceram no sul do país. Confrontos violentos em várias partes da Síria também deixam mortos, inclusive civis. Em Doha, o novo líder do Conselho Nacional Sírio pede mais ajuda militar dos países ocidentais.

Pelo menos 20 soldados sírios morreram neste sábado após a explosão de duas bombas destinadas a atingir uma área militar no sul da Síria, segundo informações de um grupo da oposição. A agência estatal de notícias Sana confirmou o ataque e o classificou como "explosão terrorista".

As explosões aconteceram na província de Daraa, exatamente onde começaram os levantes populares contra o presidente Bashar al Assad, em março do ano passado – conforme ressaltou o Observatório dos Direitos Humanos na Síria. Uma terceira bomba teria atingido outro posto militar em Daraa, mas não causou danos.

Ao todo, cerca de 50 pessoas morreram neste sábado em diversos ataques registrados em todo o país. Entre os mortos estão oito civis, em regiões próximas à capital, Damasco.

Embates na fronteira

Nos últimos dois meses, rebeldes conseguiram se infiltrar em áreas-chave de Damasco, em províncias na parte noroeste e em Daraa. Ataques tendo como alvo instituições públicas de segurança tornaram-se frequentes, porém, dentro e fora de Damasco.

Tropas do governo e rebeldes também se enfrentaram neste sábado perto da fronteira com a Turquia, levando civis a fugirem para o território turco. Bombardeios e ataques aéreos intensos foram relatados na cidade síria rebelde de Maaret al Noumaan e em outras controladas pela oposição, no norte da província de Idlib.

"Cerca de 20 mil pessoas fugiram para áreas próximas à fronteira entre Síria e Turquia nas últimas 24 horas. Algumas conseguiram entrar em território turco, já outras buscaram refúgio em áreas curdas dentro da Síria, onde a situação é relativamente calma", afirmou Rami Abdel Rahman, chefe do Observatório dos Direitos Humanos.

A oposição acredita que mais de 37 mil pessoas já morreram na Síria desde o início dos confrontos.

Novo líder

Durante a semana, líderes da oposição na Síria discutiram a violência no país em Doha. O Conselho Nacional Sírio (SNC, sigla em inglês), considerado o maior grupo de oposição no exterior, disse neste sábado que vai apresentar propostas para negociações a fim de ampliar a base de oposição.

Escolhido na noite da sexta-feira como novo líder do SNC, George Sabra afirmou ainda ter esperanças de receber mais ajuda militar das potências ocidentais na luta contra o regime de Assad. "Agora queremos pressionar os países árabes e a comunidade internacional a mudar suas posições. Precisamos de uma nova decisão", disse. Sabra é cristão e antigo membro da oposição síria.

O Conselho vem recebendo fortes críticas de aliados internacionais, que o acusam de ineficácia na luta contra o governo sírio. O grupo, porém, reclama que os países ocidentais poderiam dar maior ajuda militar aos rebeldes.

MSB/dpa/afp/rtr
Revisão: Marcio Damasceno

Leia mais